Assinar
O leitor pergunta, o RL responde

Vários exames, diferentes diagnósticos

Unidade Local de Saúde da Região de Leiria (ULSRL) confirma que resolveu a situação apontada, com a marcação e a realização de um novo estudo de controlo.

Continuo à espera de uma resposta à reclamação que entreguei no hospital de Leiria, em novembro de 2013, depois de ter sido realizado um exame ao meu filho e cujo relatório descreveu um diagnóstico completamente diferente daquele que na realidade se verificava. Que medidas foram tomadas pelo Hospital de Leiria para mitigar/eliminar que este tipo de erros se repita?”
João C.

João C. nem queria acreditar quando percebeu que o relatório de um exame realizado ao seu filho, ainda bebé, no hospital de Leiria, apresentava um diagnóstico completamente “diferente e incorreto” do que inicialmente fora identificado pelo mesmo médico que realizava o exame.

O caso remonta a setembro de 2023, quando a criança realizou uma ecografia no serviço de Imagiologia, mas o relatório elaborado foi diferente daquele que foi inicialmente identificado. Esta discrepância levou que o médico que acompanhava a criança no serviço de nefrologia/cirurgia pediátrica, solicitasse um terceiro exame, realizado numa unidade privada, exterior ao hospital, que veio confirmar o primeiro diagnóstico apresentado.

Face ao exposto, explica, em novembro de 2023, João C. apresentou reclamação, por email, questionando a credibilidade do profissional que efetuou o exame e aguardou por uma resposta por parte da administração. “Solicitamos que esta situação seja escortinada e que sejam tomadas medidas com intuito de mitigar/eliminar este tipo de erros, pois podemos estar a pôr em causa a vida de pacientes”, escreveu. Até ao momento, não recebeu qualquer resposta.

Contactada pelo REGIÃO DE LEIRIA, a Unidade Local de Saúde da Região de Leiria (ULSRL) confirma que “foi rececionada uma exposição escrita no Gabinete do Cidadão, através de email”. Justifica que “não foi enviada uma resposta formal ao seu autor, na medida em que a ULSRL resolveu a situação apontada, com a marcação e a realização de um novo estudo de controlo, que foi realizado dentro do prazo adequado, a tempo da consulta médica”.

João C. confirma ao nosso jornal que foi marcado um novo exame, o quarto, em março, ao qual compareceu, mas rejeitou que o exame fosse realizado pelo profissional de saúde que tinha elaborado o “diagnóstico incorreto” e que “condicionou” todo o processo clínico. O exame acabou por ser efetuado dias depois, por outro médico, que confirmou o diagnóstico efetuado na unidade privada. A criança foi acompanhada no serviço de Cirurgia Pediátrica, em abril, “seis meses depois”, e encaminhado para o Hospital Pediátrico de Coimbra.

A ULSRL não esclarece se foi aberto algum processo de averiguações ao profissional que efetuou o exame, nem se o atraso provocado pela realização dos exames teve implicações no tratamento a adotar.

Se tem uma pergunta à qual o nosso jornal possa ajudar a responder, envie-a por aqui: www.regiaodeleiria.pt/o-leitor-pergunta-o-rl-responde.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos relacionados

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.

Artigos de opinião relacionados