Assinar Edições Digitais

O meu diário: Circo

Nunca gostei dele. Nunca votei nele. Nunca confiei nele. Mas confesso que fiquei incomodada, preocupada e muito triste.

Helena Vasconcelos, médicahml.vasconcelos@gmail.com
Helena Vasconcelos, médica hml.vasconcelos@gmail.com

Nunca gostei dele. Nunca votei nele. Nunca confiei nele. Mas confesso que fiquei incomodada, preocupada e muito triste.

Tem de haver razões, que não entendo e não concebo, para se tratar um cidadão, que já foi primeiro-ministro, desta forma crua e despudorada. Não esqueçam que este homem teve a maioria absoluta dos votos dos portugueses, representou-nos lá fora durante muitos anos e fez coisas meritórias. E por isso não deve pagar? Sim, se for culpado, deve pagar sem dó nem complacência. Mas até lá haja calma, respeito e pudor. Este homem tem família e amigos e se tiver errado, chegar-lhe-á a pena que terá de cumprir e o resto da vida estragada.

Tudo o resto é arena, circo romano e euforia das massas. E nesse circo não me revejo, nem me quero deixar fotografar. Não lavo as mãos como Pilatos, tenho um lado para me pôr, e esse lado só pode ser o da verdade. Nem me consolam as desculpas que existem outros corruptos. Se este o for nas dimensões apregoadas deve pagar por isso. Mas até lá nem TVs, nem jornais, nem horas de comentadores, que o povo gosta de sangue mas quem lho põe no bebedouro também tem culpa.

A minha avó sempre dizia que no hospital e na prisão todos temos um lugar reservado e essa realidade deve estar presente nas nossas aparentemente ocas cabeças. Imagine os seus filhos, a sua mãe e os seus amigos. Claro que a esta hora já desenvolveram mecanismos de defesa para não desesperar. No sofrimento todos temos direito à discrição, à privacidade, à ocultação das nossas fraquezas e fragilidades. Que eu saiba o tempo dos linchamentos em praça pública e o apedrejamento, já são passado há muito tempo em Portugal.

Aguardemos sossegados. Sejamos cristãos ou se preferirem, cos diabos, por uma vez, sejamos civilizados.

(texto publicado na edição de 27 de novembro de 2014)