Assinar Edições Digitais

Passageiro do tempo: Leiria de skate

Finalmente, constatei que o skate é hoje, à semelhança do surf, um desporto com um potencial extraordinário no desenvolvimento da imagem de uma cidade.

José Manuel Silva, professor/Gestor do ensino superiorjmsilva.leiria@gmail.com
José Manuel Silva, professor/Gestor do ensino superior jmsilva.leiria@gmail.com

Tenho de começar por uma declaração de interesse, o meu filho mais novo é praticante de skate e talvez este texto nunca fosse escrito se não me tivesse vindo a familiarizar com este desporto.

Primeiro tentei perceber o prazer resultante de cavalgar uma pequena “tábua” com rodas e fazer manobras arriscadas muitas vezes colocando em risco a segurança do próprio. Depois fui-me apercebendo não só do entusiasmo à volta da prática do skate mas de como este pode contribuir para a integração juvenil, para a ocupação saudável dos tempos livres, para uma prática desportiva com visíveis benefícios físicos e anímicos. Finalmente, constatei que o skate é hoje, à semelhança do surf, um desporto com um potencial extraordinário no desenvolvimento da imagem de uma cidade.

Para isso existem algumas condições de base a assegurar, nomeadamente, a disponibilização de espaços específicos para a prática da modalidade ao mais alto nível, permitindo não apenas o exercício corrente pelos praticantes locais mas também a realização de eventos nacionais e internacionais capazes de atraírem milhares de pessoas, entre praticantes, espectadores, comunicação social e empresas interessadas num nicho de negócio que vale milhões por esse mundo fora.

Foi assim que cheguei à ideia de que Leiria, aproveitando a experiência de alguns praticantes veteranos da cidade e responsáveis por atividade relevante nesta área em tempos não muito recuados, chegaram até a construir um dos primeiros parques cobertos nacionais, podia pensar em tornar-se uma referência neste desporto, capitalizando através dele o que outras têm conseguido com outros desportos, basta olhar para os canais de televisão internacionais inteiramente dedicados ao skate para se perceber melhor o que digo.

Aproveitando o impulso que esta Câmara tem dado a eventos impensáveis há alguns anos, cito apenas o caso de sucesso do Entremuralhas, julgo ser bem possível acolher a ideia, há até espaço livre no parque da cidade (o do avião) onde, de acordo com as especificações técnicas internacionais, seria possível montar um conjunto de equipamentos de última geração, cujo investimento nem sequer será nada de proibitivo, criando mais uma imagem de marca para Leiria, atraindo praticantes, gerando notoriedade e retorno económico. Atenção, não estou a sugerir um projetozinho, estou a propor uma nova área de negócio para a cidade.

(texto publicado na edição de 4 de dezembro de 2014)