A GNR anunciou a identificação de três alegados burlões, residentes no concelho da Batalha que se faziam passar por funcionários da Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE).

Em comunicado, a GNR informa que quinta-feira, na sequência de duas buscas domiciliárias, identificou e constituiu arguidos três pessoas suspeitas “de estarem envolvidos em diversos crimes de burla onde se faziam passar por funcionários da ASAE”.

Segundo a GNR, as buscas ocorreram no âmbito de um inquérito iniciado a 26 de fevereiro na sequência de uma queixa contra um indivíduo cujo nome se apurou ser falso e que “se fez passar por funcionário da ASAE” junto da proprietária de um restaurante em Porto de Mós.

A GNR adianta que este arguido “fez crer [à queixosa] que lhe tinha enviado em data anterior uma contra ordenação para liquidação de uma coima no valor de 199,80 euros” e que, caso não efetuasse o depósito imediato do valor numa conta indicada, “teria de proceder ao encerramento do estabelecimento”.

“Pressionada deste modo, a vítima viria a efetuar o depósito através de código de entidade e referência fornecidos pelo agente do crime, tendo posteriormente verificado que havia sido burlada”, acrescenta o comunicado.

Aos arguidos, de 22, 27 e 29 anos, sem antecedentes criminais, foi apreendido equipamento informático, vários documentos relacionados com movimentos bancários, diversos livros de registo e quatro telemóveis.

“Estes indivíduos são os principais suspeitos deste e outros crimes análogos realizados ao longo de todo o país e participados a esta guarda”, refere o mesmo comunicado.

A GNR admite ainda que “outras ocorrências idênticas possam ter acontecido sem que as vítimas participassem às forças de segurança”.