Select Page

Inspecção do Ambiente ordena suspensão da descarga de efluentes suinícolas

Inspecção do Ambiente ordena suspensão da descarga de efluentes suinícolas

A Inspecção Geral do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAOT) determinou a suspensão imediata da descarga de efluentes suinícolas em duas unidades do concelho de Leiria, obrigando ainda à remoção de todo o efluente aí depositado.

Numa nota de imprensa divulgada hoje, a IGAOT esclarece que a decisão foi tomada na sequência de uma inspeção nos dias 17 e 22 de fevereiro ao sistema de armazenamento de efluentes suinícolas da Raposeira e à estação de tratamento de efluentes da Bidoeira.

“Os referidos sistemas de gestão de efluentes suinícolas apresentavam-se em avançado estado de degradação, revelando a ausência clara de manutenção, designadamente ao nível das telas de impermeabilização das lagoas”, refere a mesma nota.

Segundo a IGAOT, “constatou-se ainda a descarga não controlada de águas residuais e a infiltração no solo sem qualquer tipo de tratamento”.

“Na unidade da Bidoeira foi detetada a descarga de efluente suinícola para os tanques, sem que existisse qualquer título válido”, acrescenta a IGAOT, explicando que “os nitratos existentes nos efluentes pecuários são um elemento altamente solúvel em água e com baixa capacidade de absorção no solo, o que pode traduzir-se na contaminação dos cursos de água superficiais e dos cursos de água subterrâneos”.

“Acresce que a contaminação microbiológica dos recursos hídricos decorrente de um inadequado tratamento dos efluentes suinícolas restringe o potencial aproveitamento daqueles recursos para abastecimento público”, adianta a IGAOT.

Perante a “grave situação ambiental detetada” e “respetivas implicações para a qualidade das água e dos solos, para os ecossistemas e para a saúde pública”, a IGAOT emitiu mandados à empresa Ambilis, responsável pela exploração das unidades”, para a “cessação, de imediato, da realização de qualquer ação de gestão de efluentes pecuários, designadamente qualquer receção, depósito ou descarga de efluentes suinícolas nos tanques e/ou lagoas aí existentes”.

A IGAOT deu um prazo de 90 dias para a empresa “proceder à retirada e limpeza dos tanques e lagoas de todo o efluente e lamas aí existentes e ao seu envio para destino autorizado”, avisando que o não cumprimento destas ordens faz incorrer o seu destinatário na prática do crime de desobediência.

Confrontado com a ação de inspeção, o presidente da Ambilis, David Neves, remeteu declarações para mais tarde.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que avance, a curto prazo, o processo de regionalização?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Semana de Moldes 2018

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Share This