Assinar Edições Digitais
Sociedade

População dos Pousos impede continuação de obras na EN113

Cerca de 200 pessoas da freguesia dos Pousos, concelho de Leiria, concentraram-se hoje no lugar de Touria para impedir as obras na estrada nacional 113.

Cerca de 200 pessoas da freguesia dos Pousos, Leiria, concentraram-se hoje  no lugar de Touria para impedir as obras na EN 113 até que sejam satisfeitas as pretensões da população sobre circulação na zona.

O presidente da Junta de Freguesia dos Pousos, Fernando Antunes (PS), explicou à agência Lusa que as obras em curso, da responsabilidade da Estradas de Portugal, contemplam um separador central junto à localidade de Touria.

“Estamos de acordo com o separador, porque há os entroncamentos de acesso à localidade que são perigosos, mas exigimos primeiro a construção de uma rotunda no cruzamento dos Soutos”, explicou.

Segundo o autarca, se não for feita a rotunda, “o problema apenas muda uns metros abaixo, em direção a Tomar, onde os veículos são obrigados a fazer inversão de marcha para retomarem o caminho para Leiria”.

“O perigo passa para esse local que não tem condições”, referiu, reiterando: “Para fazer essa manobra exige-se a rotunda”.

Fernando Antunes adiantou que “a Estradas de Portugal foi alertada para a situação e admitiu que fazia a rotunda”. “Mas quando, não sabemos”, referiu. “Alegou falta de dinheiro para não fazer a rotunda. Se não há dinheiro para a rotunda deixem estar como está, não pedimos para fazer nada”, continuou.

Um documento que está a ser distribuído no local informa que a população gosta de “viver com qualidade de vida” e está consciente “das mudanças inevitáveis que o desenvolvimento acarreta”.

“Estamos dispostos a percorrer mais alguns metros para tomarmos a direção de Leiria, mas queremos fazê-lo em segurança”, refere-se no texto, o qual insiste na conclusão, “em primeiro lugar”, da rotunda, “onde está atualmente o cruzamento com a estrada que dá acesso aos Soutos”.

“Satisfeita a nossa exigência, a nossa aldeia lamentavelmente perderá parcialmente a sua entrada principal, mas ficará com mais duas e estas com perfeita segurança para todos nós”, lê-se no documento.

O protesto iniciou pelas 7h30, tendo a população desmobilizado cerca das 11 horas após a garantia da suspensão das obras por parte da Estradas de Portugal e marcação de uma reunião, ao final do dia, com responsáveis das direcções de Estradas de Leiria e de Santarém.