Assinar
Sociedade

Câmara da Marinha Grande pede ajuda para identificar vândalos

A Câmara Municipal da Marinha Grande apelou à população para ajudar a identificar os autores de atos de vandalismo em equipamentos municipais, na sequência de novos danos em casas de banho públicas.

A Câmara Municipal da Marinha Grande apelou à população para ajudar a identificar os autores de atos de vandalismo em equipamentos municipais, na sequência de novos danos em casas de banho públicas.

Sanitários alvo de vandalismo

Numa nota de imprensa, a autarquia “apela à colaboração de todas as pessoas que eventualmente tenham presenciado este episódio ou venham a assistir a atos semelhantes” para que contactem a autarquia ou a PSP.

À agência Lusa, o vice presidente da autarquia, Paulo Vicente, declarou que “não se pode ter um polícia em cada equipamento municipal”, pelo que pede à população para ser “vigilante” em relação às estruturas públicas, que “são de todos”.

“Pedimos para que ajudem a debelar este tipo de vandalismo”, reiterou o autarca, sublinhando que casos como os danos repetidos nos sanitários do Parque da Cerca, um espaço de lazer no centro da cidade da Marinha Grande, se têm sucedido noutros locais, e reconheceu ser difícil haver resultado da participação das situações às autoridades policiais.

Paulo Vicente acrescentou que é um “dever cívico” as pessoas “cuidarem do que é de todos e contribuírem para a sua manutenção”.

Na mesma nota de imprensa, na qual pede desculpa pelo estado da infraestrutura e condena estes atos “vergonhosos”, o município assegura que casos destes “têm vindo a suceder quase diariamente”.

“Apesar do esforço da autarquia em manter em bom estado de conservação os sanitários do Parque da Cerca, bem como outras infraestruturas públicas, tem sido difícil assegurar a sua manutenção dado o elevado nível de delinquência a que têm sido sujeitos”, explica a autarquia.

O município adverte ainda que “as verbas dispendidas com as reparações de equipamentos são avultadas e, num momento de contenção para todos os organismos em que é necessário canalizar os dinheiros públicos para investimentos que melhorem a qualidade de vida da população, não é razoável continuar-se a praticar este tipo de crimes”.

“Nós reparamos e na noite seguinte aparece vandalizado de novo”, acrescentou o vice presidente da Câmara Municipal, explicando que, apesar de terem sido estabelecidos horários de verão e de inverno para os sanitários, “isso não significa que não arrombem a porta, porque no passado também foi assim”.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.