O arquipélago das Berlengas, em Peniche, foi designado Reserva Mundial da Biosfera, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), na passada quinta-feira.

Este espaço privilegiado da região tinha sido alvo de uma candidatura em 2008 com vista a fomentar o seu desenvolvimento sustentável e vem agora juntar-se às quatro reservas já existentes no país: ilhas do Corvo, Flores e Graciosa, nos Açores, e do Paul do Boquilobo, na bacia hidrográfica do Tejo.

Com este reconhecimento, revela a autarquia, proceder-se-à igualmente ao “reconhecimento acerca dos problemas de conservação e de desenvolvimento, assim como a existência de acções concretas e participadas para fazer face a tais constragimentos”, dando o exemplo dos projectos em curso pela Associação Berlenga – Laboratório de Sustentabilidade os quais pretendem vir a tornar a Ilha da Berlenga auto-sustentável sob o ponto de vista energético recorrendo à instalação de paineis fotovoltaicos e proceder ao tratamento das águas residuais e resíduos sólidos.

A Reserva da Biosfera das Berlengas, cujo território abrange a área da actual Reserva Natural das Berlengas, a Península de Peniche e um corredor marítimo, não irá implicar o aumento de regulamentação ou condicionalismos para além dos já existentes e que se encontram contempladas no Regulamento do Plano de Ordenamento da Reserva Natural das Berlengas e demais instrumentos de ordenamento do território actualmente em vigor, informa a autarquia.