As altas temperaturas e o vento forte que se sentiu em Leiria, sábado, por volta das 20 horas, provocaram queda de árvores e diversos focos de incêndio.

foto: Sérgio Claro
Em Parceiros temeu-se o pior mas os bombeiros rapidamente apagaram o fogo (foto: Sérgio Claro)

Em Parceiros surgiram dois focos de incêndio em zona florestal, rapidamente controlados pelos bombeiros, mas o mau tempo causou pânico naquela freguesia e em diversos outros sítios, um quadro ampliado pelas altas temperaturas que se registaram.

O fogo levou inclusivamente ao corte da autoestrada A8, junto à Marinha Grande, sendo o trânsito restabelecido perto da meia-noite. Também Alcobaça lutou contra dois fogos.

No total, segundo fonte dos bombeiros, houve 18 incêndios, um número pouco usual de ocorrências, sendo Leiria e Alcobaça os concelhos mais atingidos.

“Foi uma situação que nos mereceu alguma preocupação e muita dispersão de meios”, adiantou o comandante do Comando Distrital de Operações e Socorro (CDOS) de Leiria, desconhecendo ainda as causas dos incêndios, a que “as condições climatéricas não são alheias”.

Também na praia do Pedrógão, no concelho de Leiria, a população ficou sem eletricidade cerca das 21 horas.

O presidente da Câmara de Leiria, Raul Castro, explicou que o mau tempo provocou “danos na escola do Arrabalde, cujo muro desabou após a queda de uma árvore” e uma “chaminé de uma casa no Vidigal caiu”.

“Não há feridos a registar”, sublinhou Raul Castro, apontando “apenas alguns danos materiais reduzidos” e recordando os minutos de mau tempo, que foram um “pavor”.

Lusa

foto: Sérgio Clarofoto: Sérgio Clarofoto: Sérgio Claro

fotos: Sérgio Claro