Assinar Edições Digitais
Sociedade

Câmara de Leiria lança campanha a apelar à população que recuse dar moedas aos arrumadores

A Câmara de Leiria prepara-se para lançar uma campanha em que apela à população para que recuse dar moedas aos chamados “arrumadores” de veículos na cidade, disse hoje à Lusa a vereadora Lurdes Machado.

A Câmara de Leiria prepara-se para lançar uma campanha em que apela à população para que recuse dar moedas aos chamados “arrumadores” de veículos na cidade, disse hoje à Lusa a vereadora Lurdes Machado.

Os cartazes já estão prontos e “devem ser afixados a partir da próxima segunda-feira” nos parques de estacionamento gratuitos, adiantou à agência Lusa a responsável pelos pelouros da acção social e da segurança pública.

“Dar moedas não é a solução” é o slogan da campanha. Nos cartazes consta ainda o número da PSP de Leiria e aconselha-se os leirienses que se sintam incomodados pelos arrumadores a contactarem aquela força policial.

“As pessoas dão a moedinha muitas vezes por pena ou por medo, mas isso não resolve e até alimenta e aprofunda os problemas que muitos têm de alcoolismo ou toxicodependência”, disse Lurdes Machado.

Ciente de que “muitos dos arrumadores não se candidatam ao Rendimento de Inserção Social porque para isso seriam obrigados a integrarem um programa de tratamento”, a vereadora acredita que com esta pressão a autarquia “poderá contribuir para que eles entrem para o tratamento que precisam”.

Em Abril deste ano, a Câmara de Leiria, juntamente com a Segurança Social, Comissão para a Dissuasão da Toxicodependência e PSP, deu início a um projeto de integração de arrumadores denominado “Viver com Trabalho”.

Os dez arrumadores que aderiram ao programa vestiram a farda de jardineiros e “têm dado um bom contributo para o embelezamento e manutenção dos espaços verdes do concelho”, afirmou Lurdes Machado.

A autarca assegurou que se tem verificado “uma diminuição do número de arrumadores em alguns parques de estacionamento público da cidade”, mas admitiu que tal “não é suficiente”, definindo esta acção como um complemento ao trabalho que tem vindo a ser realizado.

Segundo a vereadora, é necessário realizar um esforço de integração junto dos arrumadores, não alimentando os problemas de fundo que possuem, mas, ao mesmo tempo, “garantir que as pessoas não sejam incomodadas”.

Lusa