Assinar Edições Digitais
Mercado

Orçamento da Câmara de Leiria para 2012 sofre corte de 13,1 milhões

A Câmara de Leiria aprovou hoje, por maioria, um orçamento de 94 milhões de euros para 2012, registando um corte de 13,1 milhões em relação ao montante apresentado o ano passado.

A Câmara de Leiria aprovou hoje, por maioria, um orçamento de 94 milhões de euros para 2012, registando um corte de 13,1 milhões em relação ao montante apresentado o ano passado.

Do documento destaca-se a intenção da autarquia em contrair um empréstimo de curto prazo no valor de três milhões de euros para pagar obras que são apoiadas por fundos comunitários, a estimativa de receitas de 12 milhões de euros com a futura concessão da gestão e exploração da água a privados e da venda por 24 milhões de euros do topo Norte do estádio.

“Há dois anos o orçamento era de 127 milhões, passou o ano passado para 107, agora reduziu-se para 94 e para o ano vamos tentar que fique pelos 80 milhões de euros”, explicou o presidente da Câmara de Leiria, acrescentando que a ideia é contrariar a existência de orçamentos “empolados” que se verificaram em anos anteriores.

Raul Castro (PS) sublinha que a maior fatia do orçamento para 2012 está destinado à Educação, na ordem dos 15 milhões de euros.

O autarca expressou a sua convicção de que no próximo ano será possível concessionar a água do concelho a privados e vender o topo Norte do Estádio, considerando essencial garantir estas receitas.

Se tal não acontecer, admite, a autarquia será obrigada a realizar cortes na Educação e em algumas obras municipais.

“Não poderemos avançar com a construção de centros educativos e com a pavimentação de algumas estradas”, exemplificou.

O orçamento apresentado pela maioria liderada por Raul Castro foi alvo de críticas por parte da oposição social-democrata.

O vereador José Benzinho realçou que no documento constam “receitas sem sustentação”.

O social-democrata sustentou ainda que a alienação do topo Norte do estádio por 24 milhões de euros “não chega para pagar” os custos com a operação de venda e o empréstimo bancário que pende sobre a empresa municipal Leirisport e a autarquia, relativa à construção daquele que foi um dos palcos do Euro 2004.

Lusa