Assinar Edições Digitais
Atletismo

Nacional de atletismo de pista coberta disputa-se no fim de semana em Pombal

O Nacional da I Divisão de atletismo de pista coberta, no fim de semana em Pombal, promete despique cerrado entre as equipas masculinas do Sporting e Benfica. Juventude Vidigalense também está na luta.

O Nacional da I Divisão de atletismo de pista coberta, no fim de semana em Pombal, promete despique cerrado entre as equipas masculinas do Sporting, campeão desde 1995, e do Benfica, mesmo sem o lesionado Nélson Évora.

Os maiores nomes do atletismo nacional estão neste fim de semana em Pombal

No setor feminino, a superioridade do Sporting não deverá ser, mais uma vez, posta em causa, e a série iniciada em 1996 vai ter seguimento.

O Sporting é campeão nacional de pista coberta em masculinos há 17 anos, mas o seu domínio tem vindo a ser crescentemente contestado e este ano está mesmo em perigo.

No ano passado, os “leões” ganharam o título de pista coberta com grande dificuldade e cinco meses depois, ao ar livre, o Benfica quebrou um longo “jejum” de década e meia, após um “duelo” intenso, resolvido nos 4×400 metros finais.

Esta época, o Benfica é de novo favorito na competição de ar livre, com 21 provas, mas no programa reduzido de pista coberta, com apenas 14 provas, o equilíbrio deve ser realmente a nota dominante.

O Benfica estará desfalcado dos internacionais Nelson Évora (triplo, em que será substituído por Marco Caldeira) e Jorge Paula (400 metros), enquanto a recuperação do barreirista Rasul Dabo e do saltador em comprimento Marcos Chuva é uma incógnita.

Ao Sporting faltarão João Ferreira e o seu natural substituto, nos 400 metros, Carlos Pinheiro.

Enquanto o Sporting parece nitidamente favorito nos 1.500 metros (Hélio Gomes), 3.000 metros (Bruno Albuquerque), vara (Edi Maia) e marcha (João Vieira), o Benfica não deixará certamente fugir os triunfos nos 200 metros (Arnaldo Abrantes), comprimento (Marcos Chuva ou Marco Caldeira) e 4×400 metros, bem como no peso (Marco Fortes).

Marco Fortes será mesmo o atleta “do momento”, já que vem de quatro recordes nacionais, nas últimas duas semanas, em Chemnitz e Bygdoscz, tendo já ombreado com campeões olímpicos e do mundo.

Em todas as restantes seis provas do programa se prevê equilíbrio, a começar pelos 60 metros, prova na qual os benfiquistas Yazaldes Nascimento e Arnaldo Abrantes têm esta época superado o “leão” Francis Obikwelu.

Apenas numa das 14 provas se prevê uma eventual interferência “alheia” – a de Carlos Calado, atualmente no GA Fátima, no triplo.

No setor feminino, a superioridade do Sporting é grande, mesmo sem contar com Naide Gomes, lesionada e substituída por Shaina Mags, “uma atleta em ascensão”, explica Abreu Matos, treinador das saltadoras.

Possíveis exceções são os 800 metros (a jovem benfiquista Marta Pen pode dar réplica a Sandra Teixeira), 60 metros barreiras (Andreia Felisberto, do JOMA, já derrotou Mónica Lopes esta época) e comprimento (a benfiquista Ungudi Quiawacana dará luta a Shaina Mags).

Outro ponto de interesse dos campeonatos será a luta pelo último lugar do pódio, que, no setor masculino, será protagonizada por Gira Sol (Cantanhede), Juventude Vidigalense (Leiria) e CA Seia, enquanto Juventude Vidigalense e JOMA (Monte Abraão) serão os principais candidatos no feminino.

Conjuntamente realizar-se-á o Nacional da II Divisão, com outras oito equipas masculinas e femininas, num extenso programa que irá das 14:30 a depois das 19:00 horas, de sábado e domingo.

– Clubes participantes no Nacional da I Divisão:

Masculinos: Sporting, Benfica, Gira Sol, J. Vidigalense, CA Seia, GA Fátima, Académica e CA Baixa da Banheira.

Femininos: Benfica, Sporting, J. Vidigalense, JOMA, Gira Sol, GCA Donas, ADREP e GRECAS.

Lusa