Assinar Edições Digitais


Cultura

Vieira de Leiria recebe protesto sob a forma de acampamento cultural

Uma alcatifa no chão vai servir de palco improvisado para o talento ao serviço do protesto. Neste sábado, a cultura será a palavra de ordem em Vieira de Leiria

Uma alcatifa no chão vai servir de palco improvisado para o talento ao serviço do protesto. São os ingredientes para um dia em que cultura será a palavra de ordem em Vieira de Leiria, na Marinha Grande.

Largo da igreja de Vieira de Leiria recebe iniciativa

São Trindade, responsável pelo grupo de teatro Teatresco, entidade organizadora do “OCUP’ARTE”, conta que o evento visa “divulgar a atividade artística e cultural do concelho e também fazer um protesto de forma simbólica contra o estado da cultura no nosso País”.

A dirigente considera que “as pessoas ou entidades que tentam desenvolver atividades culturais têm que desistir porque não há apoios por parte do governo” e acrescenta: “a cultura e as artes são muito importantes para a economia do País porque geram e movimentam muito dinheiro”.

O “OCUP’ARTE” vai ocupar a praça junto à igreja de Vieira de Leiria e sublinhar essa importância, com atividades artísticas e culturais realizadas por entidades da área e por artistas individuais que tenham algum talento para mostrar.

Peças de teatro, sketches, dança, artesanato, pintura, entre outros, vão acontecer ao longo do dia. Estão confirmadas as presenças de cerca de dez entidades artísticas e culturais e a iniciativa está aberta a qualquer pessoa que tenha algum talento e que queira partilhá-lo. Não é necessária inscrição prévia, basta aparecer em Vieira de Leiria.

O evento decorrerá amanhã, dia 25 de fevereiro, a partir das dez horas, sendo que às 17 horas realiza-se um desfile para assinalar o Enterro do Entrudo e o fim do festival de teatro Festiv’Álvaro.

Mas todos se podem juntar, mesmo quem não é artista. “Quem quiser pode trazer uma tenda para se juntar a um acampamento simbólico em jeito de contestação contra o atual estado da cultura em Portugal”, refere São Trindade.