Assinar
Desporto

Há uma mulher que ganha terreno num mundo de homens

Experimentou, gostou e nunca mais largou a “máquina”. Nazarena por adoção, Dorothée Ferreira conduz um buggy que diz: “É um espetáculo”.

Experimentou, gostou e nunca mais largou a “máquina”. Nazarena por adoção, Dorothée Ferreira conduz um buggy que diz: “É um espetáculo”.

Dorothée Ferreira

A aventura começou há  dois anos. António Ferreira, marido de Dorothée e também ele piloto de buggy, comprou um modelo para se divertir, deixou-a experimentar e daí até à competição foi um “piscar de olhos”.

O sucesso foi tal que rapidamente começou a ficar bem qualificada. E repetiu. Repetiu. E, atualmente, é a única mulher a participar no campeonato nacional de todo-o-terreno, na categoria  buggy/UTV. O seu desempenho e prestações começam a despertar a atenção.

Num mundo claramente dominado por homens, a piloto acredita existir aí uma vantagem. “O ambiente é convivial. Por agora, sou a única, mas sei que daqui a pouco tempo, as mulheres de outros pilotos de buggy vão querer experimentar, o que significa que o número de mulheres vai aumentar”, afirma.

Proprietária de uma pequena loja bem no centro da vila piscatória, é a pilotar um buggy – uma espécie de veículo todo-o-terreno com redes protetoras na totalidade das laterais da cabine dos pilotos – que se sente como peixe na água. A região é propícia à prática da modalidade e Dorothée percorre os pinhais na Nazaré e em Alcobaça para aperfeiçoar a sua performance.

Segurança e adrenalina
Com o apoio da empresa Veco Design, de Alcobaça, correu pela primeira vez em Coruche, em setembro de 2010. “Acabei em segundo lugar e o meu marido em terceiro. A partir desse momento o meu objetivo é acabar as provas à frente dele. E até agora consegui”, brinca, satisfeita com o seu percurso.

“Os carros são seguros e com calma e concentração, tudo corre bem”, esclarece, lembrando que o porte e a resistência física também são importantes. Sobretudo “quando tenho furo e é necessário mudar o pneu”, diz.

Dia 17 arranca a sua participação no campeonato nacional, no Algarve. Vai correr com um buggy de 900cc superior ao utilizado em 2011. Da última época recorda ainda a etapa, na Baja500 Portalegre: “Terminei em sétimo numa prova com 400 km. Foi a prova mais cansativa que alguma vez fiz. Cheguei ao fim sem força nos braços e no corpo, mas acabei”, conclui.

Foto: A2 Comunicação

Marina Guerra
marina.guerra@regiaodeleiria.pt

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.