Select Page

Maria e Isabel, as únicas presidentes do distrito

Maria e Isabel, as únicas presidentes do distrito

Isabel Damasceno acabara de ser eleita para o primeiro mandato à frente da câmara de Leiria pelo PSD, em 1997, e recebeu uma oferta de ajuda inesperada da parte da presidente da câmara de Almada, da… CDU. “Não me conhecia, mas disponibilizou-se logo para me ajudar no que fosse preciso. Foi solidariedade feminina”, lembra Isabel Damasceno. Afinal, era a primeira vez que o distrito de Leiria elegia uma presidente de câmara e o auxílio revelou-se útil, sobretudo “a nível técnico”.

Isabel Damasceno

Desde 1976 (as primeiras eleições autárquicas em regime democrático), apenas duas mulheres estiveram à frente de um município no distrito de Leiria. A participação feminina está a aumentar, mas a política ainda é um clube maioritariamente masculino.

“Há um desequilíbrio que não se resolve a curto prazo nem de um dia para o outro”, nota Damasceno, hoje à frente do programa “Mais Centro”, que gere verbas do Quadro de Referência Estratégico Nacional.

A par da ex-autarca de Leiria está Maria Fátima Pata. Foi a primeira presidente de câmara no distrito, em Peniche, substituindo José Antunes, eleito pelo PS em 1983. “Foi um mandato engraçado, com sofrimentos e alegrias, como em todo o lado”.

O setor feminino aceitou bem uma mulher no poder, mas os homens nem tanto: “Talvez tivesse alguma sensibilidade diferente para problemas sociais. Mas tive uma oposição feroz, terrível. O meio social era simples…”, recorda.

Eram tempos difíceis em Peniche, devido à dependência da água dos concelhos vizinhos. “Curiosamente, na primeira reunião de câmara, tive uma embaixada de mulheres a bater tampas de tachos e a gritar ‘Queremos água! Queremos água!’. Foi ridículo, magoou-me”. Eram anos dos primeiros dinheiros da Europa e resolveu fazer uma barragem, talvez a sua obra mais marcante. “Fui muito contestada e nem fui convidada para a inauguração . Mas a barragem está lá, o dinheiro foi bem gasto”.

Para Isabel Damasceno, ser presidente “foi um grande orgulho”. “Não era normal e nunca tinha acontecido em Leiria, mas nunca senti qualquer dificuldade nem facilidade acrescida por ser mulher”. Com uma exceção, “o chamado sexto sentido”: “Não quer dizer que os homens não tenham, mas é importante para antever acontecimentos e reações e senti sempre que era útil”.

Na primeira campanha, sobretudo, sentiu o apoio feminino em Leiria, mais “nas freguesias ditas mais rurais”. Hoje, é com satisfação que Isabel vê “variadíssimas candidatas mulheres nos vários partidos”. “É um grande orgulho, porque abri caminho”.

Com a crescente qualificação feminina, Isabel Damasceno antevê que no futuro será atingida a paridade ou, até, a superioridade numérica das mulheres. “O preconceito está completamente ultrapassado. Mas é um processo lento. Há mentalidades a alterar. Sobretudo é preciso vontade das próprias mulheres”.

Memórias da primeira presidente

024 Maria de Fatima Mendes Serra Pata

Maria de Fátima Pata

Nasceu no Brasil, cresceu em Coimbra, saboreou a contestação dos anos 60, foi “mobilizada” para Angola com o marido, voltou a Portugal e à cidade dos estudantes e hoje vive em Peniche, empenhada em projetos de caráter social.

Enfermeira aposentada, Maria Fátima Serra Pata, 73 anos, tem uma senhora história de vida. Em Peniche, convidaram-na a entrar nas listas do PS, para número dois, “se calhar por ser uma pessoa muito sociável”. Ninguém – nem ela própria – imaginavam que, dali a um ano, estava ali a primeira mulher presidente de uma câmara no distrito. Em 1983, “o presidente embrulhou-se numa meada de tal ordem com os clandestinos do Baleal que acabou por desistir”. Maria Fátima Pata assumiu a presidência.

“Eu que nunca tinha sido vereadora a tempo inteiro!”. Mesmo com três filhos em idade escolar, assumiu a responsabilidade. “Desempenhei o melhor que sabia e podia”. Sem maioria, recusou acordos. “Não comprei vereadores para ter maioria e a oposição não me levou a bem”.

Além da barragem, recorda a criação do museu etnográfico na Fortaleza, as escolas pré-primárias, jardins-escola e tempos livres construídos e a instalação do hospital, “agora a ser desmantelado por este Governo”. No pátio da Fortaleza, onde os presos políticos passeavam, lançou um festival onde tocaram Trovante, Vitorino de Almeida e Maria João Pires.

“Foi uma pena que tenha morrido à nascença. Politicamente as pessoas tinham medo daquilo”, diz, referindo-se ao partido. “Havia muito preconceito em relação à cultura. O PS sentiu-se muito incomodado”. Da experiência como presidente guarda “o conhecimento do outro, do ser humano como ele é, com todas as qualidades e defeitos”. Mas não tem saudades da política.

“Hoje há pouca gente com firmeza de princípios e procedimentos, que pense que o bem tem de ser para todos, não só para alguns”. O Banquinho da Ternura, um movimento de apoio a crianças necessitadas, é o que a entusiasma verdadeiramente. Isso e as aulas de Literatura em Língua Portuguesa que ministra na Universidade Sénior de Peniche. “São os meus meninos”.

(Notícia publicada na edição de 20 de abril de 2012)

Manuel Leiria
manuel.leiria@regiaodeleiria.pt

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Primeira Página

Pergunta da semana

A carregar

Concorda com a construção de um novo tribunal na antiga casa dos magistrados, na avenida Marquês de Pombal, em Leiria?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Semana de Moldes 2018

Share This