Assinar
Cantinho dos Bichos

O admirável mundo dos bichos da seda

A presença de bichos da seda em casa é um marco na infância de muitas crianças, e também adultos. O processo é simples e não tem muito que enganar.

Uma caixa de sapatos, algumas folhas de amoreira e umas semanas (talvez meses) de espera.

A presença de bichos da seda em casa é um marco na infância de muitas crianças, e também adultos. O processo é simples e não tem muito que enganar.

O animal, semelhante a uma lagarta, provém dos ovos depositados por uma borboleta. Quando nasce mede cerca de 2,5 mm de comprimento e o macho distin­gue-se da fêmea pelas riscas pretas que tem no corpo. Permanece, normalmente, numa caixa de papelão, tapados, a comer e formar o casulo.

Os bichos da seda alimen­tam-se de folhas de amoreira, daí que o seu aparecimento aconteça, normalmente quando começam a surgir as primeiras folhas de amoreira, na primavera.

Durante um a dois meses, o bicho da seda alimenta-se e cresce apenas. “É um bicho simpático, não morde, não cria maus cheiros e vive bem num apartamento”, afirma João Dinis, um “criador” que tem mais mil em casa, em Leiria.

A brincadeira começou a pedido do filho e hoje é João que distribui a espécie pelas crianças da escola. Ao atingir cerca de cinco centímetros, o animal começa a escolher os cantos da caixa para formar o casulo, composto por um único fio. O método, dizem os especialistas, é digno de um verdadeiro documentário da National Geographic. O bicho da seda realiza um movimento em forma de 8, dando forma ao casulo e fica lá dentro cerca de 15 dias.

No final, a “bola” de fio que surge pode chegar aos 1.200 metros e do seu interior sairá a borboleta, que vai começar um novo ciclo. Acasala e espalha centenas de ovos acinzentados pela caixa, onde ficam hibernados até à próxima primavera. “Os animais têm uma validade pequena, mas se existir cuidado a fazer a limpeza à caixa, na alimentação e a proteger a caixa, não há nada que enganar. Num ano passa de seis ou sete bichos para várias centenas”, explica João Dinis.

Marina Guerra
marina.guerra@regiaodeleiria.pt

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.