A prospeção de hidrocarbonetos em águas profundas na bacia de Peniche está a gerar expectativa junto do consórcio formado pela Petrobrás, Partex e Galp.

“É cedo para fazer previsões, mas os estudos geológicos permitem-nos ter alguma margem de esperança de vir a encontrar petróleo em território português”, declarou uma fonte da Galp Energia ao REGIÃO DE LEIRIA, acrescentando que “olhando para a geologia de toda a bacia atlântica e para o potencial petrolífero destas áreas” existem “razões para acreditar que a nossa costa também reúne condições semelhantes”.

Este ano, o consórcio prevê levar a cabo uma campanha de aquisição de amostras abaixo do fundo do mar. A informação que vier a ser recolhida vai suportar a passagem ou não à fase seguinte de exploração. Neste momento, decorre uma fase de interpretação e processamento de dados obtidos através de sísmica 3D.

Também estão a ser realizados estudos geológicos. A concessão liderada pela brasileira Petrobrás (50%) reúne quatro blocos a profundidades de água entre 200 e 3.000 metros. Furar um poço é uma decisão para tomar em 2013.

(Notícia publicada na edição de 29 de junho 2012)