A assembleia de freguesia de Leiria chumbou, pela segunda vez, o orçamento da Junta de freguesia para o ano de 2013.

Em reunião realizada ontem à noite, os elementos do órgão autárquico eleitos pelo PS e CDS-PP (seis no total) votaram contra o documento, enquanto o representante do Bloco de Esquerda optou pela abstenção. Favoravelmente manifestaram-se os seis elementos do PSD. No entanto, o Orçamento acabou por ser rejeitado com o voto de qualidade do presidente da assembleia.

Passados quatro meses do primeiro chumbo, a oposição entende que não foram tidos em conta os argumentos apresentados na assembleia de freguesia de dezembro passado e acusa o executivo de ter ignorado e tentar “forçar novamente a passagem de um orçamento que é pouco mais do que a cópia do anterior”.

“O Partido Socialista lamenta que o executivo continue a desrespeitar o Estatuto de Oposição, ignorando todas as propostas e criticas apontadas por esta bancada. A oposição na verdadeira representação dos fregueses optou por rejeitar o caminho seguido por este executivo, sem ligação à realidade e aos problemas dos fregueses”, revela a força política em comunicado.

Igualmente, Beatriz Vaz, eleita pelo CDS-PP, entende que “as dúvidas que têm persistindo, ao longo de quatro anos e que com este orçamento se transformaram em certezas de má aplicação dos dinheiros públicos; gastos excessivos, conforme demonstrado em comunicações, publicidade e outras rubricas; e falta de informação e de apresentação de documentos pedidos pela oposição”, são motivos suficientes para votar contra, com declaração de voto.

Recorde-se que em dezembro de 2012, todos os elementos da oposição votaram contra a aprovação e entregaram declaração de voto, considerando que era “ um orçamento que não se adequa à realidade do país” e existiam ”gastos excessivos” categorizados no documento.

(atualizada a 30.04.2013 às 18 horas)

Para Laura Esperança, presidente da Junta, “o executivo está disposto a colaborar com a assembleia de freguesia, no sentido de reunir os contributos e chegar a um consenso”, apesar de o documento ter sido rejeitado uma segunda vez. “Foi feita uma tentativa de aproximação de posições, com audiência prévia e elaboramos um novo orçamento. O PS e o CDS-PP não foram sensíveis”, afirma. Contudo, acrescenta que “estamos calmos e  serenos, porque a lei permite a utilização do orçamento do ano anterior, que é um bom orçamento e, que nos permite continuar a trabalhar com o rigor e com o entusiasmo de sempre”.

(atualizada 01.05.2013, às 18 horas)

Marina Guerra
marina.guerra@regiaodeleiria.pt