O Núcleo de Árbitros de Futebol de Porto de Mós (NAFPM) comemora 18 anos de atividade no próximo sábado, dia 18. Para assinalar a data, o Núcleo vai realizar um jantar com a presença de 120 árbitros, do mais jovem ao mais categorizado do NAFPM, e vários convidados ligados ao futebol e à arbitragem em particular.

p23_nova_luciano gonçalves“Árbitros pertencem a uma grande família”

O REGIÃO DE LEIRIA falou com Luciano Gonçalves, árbitro e presidente do Núcleo de Árbitros de Futebol de Porto de Mós.

RL – Completam 18 anos de vida. Qual o principal desafio da atividade do Núcleo de Árbitros de Futebol de Porto de Mós?

Luciano Gonçalves – O principal desafio do Núcleo é formar jovens árbitros e dar formação contínua aos árbitros mais antigos através de sessões físicas e teóricas bi-semanais, na nossa sede, em Porto de Mós, e nos sintéticos e auditórios cedidos pelas autarquias de Porto de Mós e da Batalha.

 

RL – De que forma procuram promover a vossa atividade e angariar mais árbitros para o Núcleo?

LG – Participando ativamente em todas as atividades relacionadas com o futebol e especificamente a arbitragem, que sejam organizadas pela associação de classe, APAF, ou pela AFLeiria ou a FPF. Bem como eventos organizados por nós, como o torneio de futebol infantil “Júlio Viegas”, o único organizado por árbitros, onde os jovens árbitros tem uma das primeiras oportunidades de apitar jogos. E sempre que solicitados pelos clubes da região colaboramos em jogos de treino, fazendo dos referidos jogos um treino para os árbitros. Outro dos nossos objetivos ao longo destes anos tem sido a realização de palestras com convidados de excelência: Olegário Benquerença, Artur Soares Dias, Pedro Henriques entre outros. Para que os nossos associados disponham de boas condicões para desempenho da sua atividade, o NAFPM, no início da época, fez um grande esforço financeiro para adquirir três conjuntos SCA (sistema áudio) e uma câmara de vídeo para ajudar a corrigir os erros. Foi um enorme esforço financeiro a rondar os 2.800 euros.

RL – Indique três vantagens para um jovem desenvolver atividade como árbitro e integrar o NAFPM?

LG – Para integrar o NAFPM basta ser árbitro e querer dignificar esta atividade que tanto nos honra. Primeiro que tudo, podem praticar desporto e aliar a isso o crescer desportiva e socialmente. Outra das vantagens é ter pela frente uma atividade que, cada vez mais, está no caminho de ser uma atividade profissional e a médio prazo remunerada. Por último, sem duvida, o poder pertencer a uma grande família amadora que trabalha como profissional.

MG