O ciclista Carlos Vieira, de Leiria, vai ser recebido pelo papa Francisco no dia 23 de abril, na sequência da ligação que vai fazer de bicicleta entre o Vaticano e Fátima, numa homenagem a João Paulo II a propósito da sua canonização.

9041505617_b35f802070_z
Carlos Vieira é recordista mundial de resistência em bicicleta (fotografia: Joaquim Dâmaso)

“É um dos dias mais lindos da minha vida. Não tenho palavras para descrever, estou muito contente”, disse ao REGIÃO DE LEIRIA o bombeiro-ciclista, pouco depois de receber a notícia no bispo de Leiria-Fátima.

Carlos Vieira sente-se “um felizardo” por conseguir ser recebido por dois papas e já sabe o que vai dizer a Francisco: “Vou falar-lhe nas dificuldades que estamos a viver em Portugal, sobretudo as pessoas mais idosas, que passam muitas dificuldades devido à austeridade imposta pelo Governo. Há pessoas a viver cá no limiar da pobreza e o nosso Governo não tem sensibilidade para esse tipo de coisas e o papa tem de saber disso. Custa-me ter de lhe dizer isso, mas tenho de lhe comunicar o que vai na minha alma”.

O ciclista será recebido pelo papa dia 23. Depois, dia 27, após a canonização de João Paulo II, partirá para uma aventura de 3.000 quilómetros sobre bicicleta, ligando o Vaticano a Fátima – onde chega dia 8 de maio -, repetindo um percurso que completou há 28 anos, quando foi recebido pelo papa João Paulo II.

“Vai ser um grande sacrifício e sofrimento, mas tinha traçado como objetivo que, quando acontecesse a santificação de João Paulo II, eu estaria lá”, sublinha Carlos Vieira.

O ciclista espera cumprir uma média de 250 quilómetros diários, apenas com um carro de apoio.

Atualmente cumpre um rigoroso plano de preparação, treinado todos os dias, “como um ciclista profissional”:

“Estou a treinar nos limites, sem parar, para estar totalmente pronto para conseguir fazer 250 quilómetros pelo caminho. Estou no pico da preparação e, mais próximo, reduzo uns dias antes a carga, para carregar ‘baterias'”.