Select Page

Sé de Leiria no restrito clube dos monumentos nacionais

Sé de Leiria no restrito clube dos monumentos nacionais

Da colocação da primeira pedra até hoje passaram quase 500 anos. Em outubro, a Sé Catedral de Leiria viu formalmente reconhecida a sua importância, com a elevação à condição de monumento nacional.

O reconhecimento é mais do que merecido, sublinha o historiador e especialista em património e história de Leiria, Saul António Gomes: “A classificação da Sé de Leiria impunha-se de há muito. A história de Portugal, em geral, e muito especialmente a da cidade e da diocese de Leiria manifestam-se e consagram-se, a muitos títulos, nesta catedral”.

Austera para quem a olha por fora, ela é “magnífica e surpreendente, pela majestosa verticalidade espacial, pela amplidão e coerência das suas abóbadas e pelo sentimento de estesia que a sua atmosfera luminosa e branca provoca a quem nela entra”, descreve Saul António Gomes. Ali observam-se “manifestos artísticos de diferentes épocas, com especial relevo para o Renascimento”.

Fundada pelo bispo D. Gaspar do Casal e patrocinada por D. João III, a Sé de Leiria tem conhecido uma história atribulada. Sofreu danos com o terramoto de 1755 e grandes estragos com as Invasões Francesas no século XIX, além de “alguns outros acontecimentos e intervenções da época contemporânea”, que lhe provocaram perdas, nota Saul António Gomes.

Apesar disso, o edifício, propriedade da Igreja, está hoje “em belíssimo estado de conservação”, notando-se “um cuidado extremo com o edifício”, descreve o diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima. “As múltiplas gerações que ali têm passado têm tido um desvelo muito grande pelo património que lhes está confiado”, afirma Marco Daniel Duarte, no site da diocese.

Agora, a Sé de Leiria terá de ser encarada com ainda maior cuidado. “Doravante, intervenções e obras no monumento e na sua área envolvente terão de respeitar um conjunto de normas legais que acautelarão a proteção do edifício histórico”, explica Saul António Gomes.

O presidente da Câmara de Leiria aponta a classificação como “motivo de orgulho” para a cidade e concelho. E apesar de Marco Daniel Duarte acreditar que o novo estatuto “não trará uma nova forma de agir relativamente à comunidade que ali tem lugar”, Raul Castro espera que a Sé contribua para “uma maior atração turística do centro histórico”.

Apesar da austeridade exterior, a Sé de Leiria é descrita pelo historiador Saul António Gomes como “magnífica e surpreendente” (fotografia: Joaquim Dâmaso)

ML

(Notícia publicada na edição de 30 de outubro de 2014)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da semana

A carregar

Acredita que as Termas de Monte Real irão abrir em 2018?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

O Tempo

Humidity: 59%
Clouds: 1%
Wind(W): 15kph
céu claro
Segunda-feira
Terça-feira
12°
Quarta-feira
Quinta-feira
Sexta-feira
-1°

Região de Leiria no Facebook

Subscrição de newsletter

Share This