Select Page

Estado cede Forte de São Miguel à Câmara da Nazaré

Estado cede Forte de São Miguel à Câmara da Nazaré

A Câmara da Nazaré aprovou o auto de cedência do Forte de S. Miguel à autarquia, comprometendo-se a investir um milhão de euros no monumento que deverá estar requalificado dentro de dois anos, revelou o presidente.

O “Auto de cedência e aceitação do Forte de S. Miguel Arcanjo” a celebrar entre o Estado Português e o município da Nazaré estipula a entrega do monumento à Câmara por um período de 25 anos, mediante o compromisso de a autarquia avançar com a requalificação orçada em um milhão de euros.

O documento, aprovado na terça-feira pelo executivo, estima a recuperação do monumento classificado de interesse público em meio milhão de euros, mas a intervenção irá também incluir “os acessos ao farol e à praia do Norte, e em infraestruturas de água e saneamento que aumentarão o investimento em mais meio milhão de euros” disse hoje à agência Lusa o presidente da Câmara da Nazaré, Walter Chicharro.

O acordo entre a Direção-Geral do Tesouro e Finanças, Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional e o município estipula ainda o pagamento de uma renda mensal de 2.520 euros ao Estado.

“A Câmara tem lutado por uma requalificação do farol que nunca foi feita e entendemos que assumíamos este compromisso e avançávamos com uma intervenção urgente ou corríamos o risco de a degradação aumentar de ano para ano e o monumento um dia poder cair”, afirmou o autarca.

A requalificação do farol está ainda em fase de execução dos projetos que, por se tratar de um imóvel classificado de interesse público e integrado no domínio público hídrico, terão que ser aprovados pela Direção-Geral do Património Cultural e pela Agência Portuguesa do Ambiente [no caso dos acessos].

A estimativa do autarca é a de que a obra “possa estar concluída dentro de dois anos”, já que a sua duração “dependerá da possibilidade de encerrar o farol por períodos curtos, ou, caso obrigue a fechos mais prolongados, a obra terá que ser faseada”, explicou Walter Chicharro.

A decisão de aceitar o monumento e custear a sua recuperação e manutenção não foi pacífica no seio do executivo, onde o auto foi aprovado pela maioria socialista com o voto contra do Grupo de Cidadãos Independentes do Concelho da Nazaré (GCICN) e as abstenções do PSD, considerando a oposição que a Câmara não tem condições financeiras para assumir o encargo.

“O farol é autossustentável”, sustentou à Lusa o autarca, lembrando que “em dois anos e poucos meses que abriu ao público o Forte recebeu 300 mil visitantes pagantes”, sendo que 10% do valor das entradas (um euro) “revertem para um fundo para a requalificação do imóvel”.

O autarca admite ainda candidatar o investimento de um milhão de euros a fundos comunitários e adiantou à Lusa a intenção de ”depois de concluída a requalificação negociar uma revisão do auto por forma a isentar a Câmara do pagamento de renda”.

Tanto mais que, acrescentou, “o farol ganhou o espaço de um ícone patrimonial nacional de impacto global” por ali estarem sediados os projetos ligados às ondas gigantes.

O Forte de S. Miguel Arcanjo foi começado a construir no reinado de D. Sebastião, em 1577, visando a defesa da enseada dos ataques dos piratas argelinos, marroquinos, holandeses e normandos que investiam sobre o litoral atlântico. Em 1644, devido ao seu posicionamento, o rei D. João IV ordenou a sua remodelação e ampliação.

Durante as Invasões Francesas, ali se refugiaram os soldados inimigos que combateram contra a população do Sítio e da Pederneira e fez ainda parte da história das Lutas Liberais entre os partidários de D. Pedro IV e de D. Miguel.

Em 1903, foram efetuadas obras de consolidação e restauro para a instalação do farol no Forte.

Lusa

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo