Select Page

Sócrates acusado de ter recebido 24 milhões de euros para beneficiar empresas

O Ministério Público acusou José Sócrates de, enquanto primeiro-ministro, receber mais de 24 milhões de euros, entre 2006 e 2009, em troca do favorecimento ilegal de interesses do Vale do Lobo, Grupo Espírito Santo e Portugal Telecom e Grupo Lena.

O Ministério Público divulgou ontem (já depois do fecho da edição impressa do REGIÃO DE LEIRIA) uma nota que revela o essencial da acusação deste processo. O Departamento Central de Investigação e Ação Penal, deduziu acusação contra 28 arguidos, 19 pessoas singulares e 9 pessoas coletivas, no âmbito da designada Operação Marquês.

Para além do antigo primeiro-ministro, José Sócrates, este processo conta ainda com o ex-presidente do BES, Ricardo Salgado e o antigo ministro Armando Vara, como arguidos.

Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, administradores da PT, bem como os empresários Carlos Santos Silva e Joaquim Barroca Rodrigues, também integram o lote de arguidos deste processo.

Entretanto, o Grupo Lena, que detém as empresas Lena Engenharia e Construções, SA, Lena Engenharia e Construções, SGPS e Lena SGPS, acusadas na “Operação Marquês”, pondera pedir a instrução do processo, disse em resposta à agência Lusa.

Numa nota de ontem, quarta-feira, a Comissão Executiva do Grupo Lena afirma que vai “analisar, em conjunto com os advogados, o teor da acusação deduzida, sendo praticamente certo” que irão pedir “a abertura da instrução do processo”.

“É revelador da consistência das acusações do Ministério Público a enorme discrepância entre as acusações e suspeitas iniciais, em que o Grupo Lena era apresentado e exposto na praça pública como o único corruptor do antigo primeiro-ministro José Sócrates, e as acusações agora concretizadas, em que o Grupo Lena, para o mesmo Ministério Público, tem um papel residual nessa alegada teia de corrupção”, refere ainda a nota.

O Grupo Lena considera também que, “pelo conhecimento que tem dos factos, não será possível provar em juízo nenhuma das acusações contra o Grupo Lena, na medida em que nenhuma delas corresponde à verdade, sendo apenas teorias da acusação, sem nenhuma prova que as sustente”.

Segundo a nota, existe uma “diferença abissal entre as suspeitas tornadas públicas inicialmente e o teor da acusação agora produzida”.

A Comissão Executiva do Grupo Lena entende também que é “da mais elementar justiça o arquivamento do processo respeitante ao CEO do Grupo Lena”, Joaquim Paulo da Conceição, “que consequentemente deixou de ser arguido neste processo”.

O Grupo Lena apela “aos seus vários ‘stakeholders’, desde logo os milhares de colaboradores, mas também os clientes, fornecedores e banca, para, agora com confiança redobrada, continuarem a apoiar o Grupo Lena na superação das dificuldades, garantindo que não esmorecerá até o processo ter fim”.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A Câmara Municipal da Marinha Grande deve comprar as piscinas de São Pedro de Moel?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This