Select Page

Cães de assistência esperam por apoios do Estado

Cães de assistência esperam por apoios do Estado

Dizer que são a cara-metade, por vezes, é pouco. Em boa parte dos casos, estes animais são praticamente tudo o que os donos – cegos, surdos ou com deficiência – têm como auxiliar da sua mobilidade, em autonomia e segurança. Contudo, em Portugal das três associações principais que treinam e entregam cães de assistência (CA), só uma recebe comparticipação do Estado e entrega gratuitamente os animais aos seus donos. As restantes dependem dos donativos e patrocínios angariados para poderem formar cães de assistência.

O assunto foi discutido, em março último, na Assembleia da República, com um Projeto de Resolução (n.º 752/XIII/2.ª), apresentado pelo CDS-PP, para atribuição de apoio financeiro à Associação Portuguesa de Cães de Assistência e à Ânimas, equivalente ao entregue à Associação Beira Aguieira de Apoio ao Deficiente Visual (aproximadamente 65% dos custos totais no treino do cão). Contudo, depois de discutido, o tema apenas integrou um conjunto de recomendações ao Governo no âmbito do apoio às pessoas com deficiência.

Simão Marques, treinador de cães, acredita que, em breve, a legislação será alterada e os apoios passem a ser entregues a todas as associações que treinam cães de assistência. “Em Leiria há algumas situações de pessoas que precisam dos CA e o principal problema é que não têm possibilidade financeira para o adquirir. A lista de espera para receber um cão de forma gratuita é enorme, há centenas de casos em todo o país”, explica.

Responsável pelo treino do primeiro cão de assistência certificado treinado em Leiria – a cadela Candy, em março de 2016 – Simão Marques realça que a atribuição dos apoios “permitirá também um maior controlo das atividades destas associações” e da sua taxa de sucesso. “O treino é longo, tem custos relacionados com alimentação, veterinário, a própria aquisição do animal,…, sem comparticipação, as associações têm dificuldade em ajudar quem precisa”, explica.
Para o treinador, o “caminho ainda é longo”, embora já se trabalhe “cada vez mais nas terapias e nas intervenções com animais” e “apesar de existir pouca divulgação, as pessoas já não estranham tanto ver um cão a acompanhar alguém que não é cego”.

MG

(Artigo publicado na edição de 4 de janeiro de 2018)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A Câmara Municipal da Marinha Grande deve comprar as piscinas de São Pedro de Moel?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This