Select Page

Passadiços são hipótese para ajudar na proteção da Fórnea

Efeitos da visita no local preocupam autoridades locais Foto de arquivo: Joaquim Dâmaso

A Fórnea, o anfiteatro natural esculpido na serra no concelho de Porto de Mós poderá vir a contar com passadiços, à semelhança do que já sucede com outros casos de património natural do país, sendo os Passadiços do Paiva, na margem esquerda do rio Paiva, no concelho de Arouca, o exemplo mais conhecido.

A instalação de passadiços é uma das possibilidades em cima da mesa, adianta Jorge Vala, presidente do município de Porto de Mós. A medida pretende cumprir um duplo objetivo: melhorar a experiência de quem visita e, simultaneamente, reforçar a preservação da paisagem.

As preocupações em torno do impacto da pressão turística no local não são novas. As erosões provocadas pelas chuvas e pelas águas nascentes criaram um cenário natural invulgar. A Fórnea assemelha-se a um enorme abatimento da crosta terrestre começando em Chão das Pias – Serro Ventoso – descendo até Alcaria.

A singularidade daquela manifestação natural aguça a curiosidade de muitos visitantes. E em abril de 2016, os então responsáveis da União de freguesias de Alvados e Alcaria decidiram avançar com a interdição do acesso automóvel, com o objetivo de “diminuir o impacto dos visitantes”.

Benvinda Januário, a então presidente de Junta, revelou que chegaram a ser contabilizadas 400 pessoas que num só dia visitaram aquele monumento natural, situação que tem “um impacto elevado” na paisagem protegida, inserida no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.

Não obstante, os efeitos dos visitantes na flora local ainda se mantêm e Jorge Vala – que tem enfatizado a relevância do turismo da natureza para a estratégia de desenvolvimento local – adianta estar em fase de elaboração de um estudo que será apresentado ao PNSAC visando a intervenção no local.

“Temos duas soluções em cima da mesa, ou a instalação de passadiços para impedir o acesso de motos e veículos ou a criação de um caminho melhorado em terra batida, mas estas questões terão de ser trabalhadas em conjunto com o Parque Natural”, frisa o autarca.

Jorge Vala lembra a necessidade de disciplinar a visita à zona, uma vez que os impactos são notórios. A ideia passa por “reforçar a fruição, mas apostar na preservação daquele património, com a visita a ser feita num só sentido que será o mesmo do regresso”, explica.

Carlos S. Almeida 
Jornalista
carlos.almeida@regiaodeleiria.pt

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da semana

A carregar

Defende a criação de Tribunais para julgar casos de violência doméstica?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Região de Leiria no Facebook

Subscrição de newsletter

Share This