Select Page

Lontra encontrada no centro de Leiria estava “em elevado sofrimento”

O alimento existente no lago junto ao Convento de Santo Agostinho, em Leiria, era o principal motivo que levava uma lontra a sair do leito do rio Lis e a fazer a travessia do espaço verde.

Na passada sexta-feira, o animal foi encontrado ferido, recolhido e encaminhado para Centro de Reabilitação de Animais Marinhos – Ecomare (CRAM-Ecomare). Contudo, após alguns dias de observação, “em elevado sofrimento num estado demasiado grave”, foi decidido “terminar humanamente o seu sofrimento” através de eutanásia.

A fotografia da lontra a nadar no lago junto ao Museu de Leiria, divulgada na terça-feira, pela Câmara de Leiria, foi “carinhosamente” recebida e partilhada nas redes sociais. No entanto, o desfecho desta situação não foi o mais feliz para esta espécie que começa a voltar a habitar ao rio Lis.

O alerta do animal ferido foi dado por um cidadão, na sexta-feira à tarde, depois de já ter sido avistada no dia anterior. A BriPA (Brigada de Proteção Ambiental) da PSP de Leiria, fez chegar o caso ao conhecimento do veterinário municipal de Leiria, no sentido de recolher o mamífero.

O animal “apresentava um ferimento na cabeça, mais ou menos circular, com cerca de três centímetros de diâmetro, desconhecendo-se a causa/origem do ferimento”, informou a vereadora do Ambiente, Ana Esperança, ao nosso jornal. “Atendendo à espécie em causa e especificidade de tratamentos necessários, para os quais” a autarquia não tinha resposta, o animal foi então encaminhado para o CRAM-EComare, em Ílhavo.

A permanência neste local seria temporária, dado tratar-se de um centro especializado em animais marinhos, e apenas para “avaliar o estado do animal e proceder ao seu tratamento o quanto antes”, refere Marisa Ferreira, responsável do centro em Ílhavo.

A lontra seguiria no dia seguinte para o centro de recuperação de animais selvagens do Parque Biológico de Gaia.
Além do ferimento na cabeça, a lontra “tinha vários ferimentos (uns mais antigos e outros recentes), sendo o mais grave uma laceração na cabeça e perfuração do crânio. Para além disso estava abaixo do peso cerca de 50%, indicando um processo crónico”, indicou Marisa Ferreira, responsável do centro em Ílhavo.

Após exame veterinário, “infelizmente teve que optar-se pela eutanásia do animal”, refere a responsável. “O seu estado geral, a emaciação severa e o traumatismo cranioencefálico foram determinantes para esta decisão. O animal estava em elevado sofrimento num estado demasiado grave pelo que decidiu-se terminar humanamente o seu sofrimento”, acrescenta.

Marina Guerra
Jornalista
marina.guerra@regiaodeleiria.pt

Animal frequentava lago junto ao Convento de Santo Agostinho, em Leiria, à procura de alimento Foto: CML

1 Comentário

  1. Wesley cardoso

    Não sei se é importante mas vi um corpo de uma lontra também muito magra e atropelada antes da ponte que dá acesso ao IPLeiria e shopping.

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A programação da Capital Europeia da Cultura deve ou não incluir espetáculos tauromáquicos?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This