Select Page

Alunos da EB1/JI de Andrinos têm aulas ao ar livre e apostam na reabilitação da escola

Nas traseiras da escola, cerca de 80 crianças trabalham divididas em grupos. De um lado, calcula-se a área da horta e quantas sementeiras podem ser adicionadas ao lado das curgetes, couves e alfaces que já lá estão. Noutro canto, são distribuídos tubos de cola aos alunos mais velhos do grupo, que ficarão responsáveis por ajudar os mais novos a usar a cola nas tampas de plástico que vão utilizar para decorar uma estrela. “Eu é que sou mais velho”, exclama prontamente um menino, gerando um burburinho para aferir quem fica com a tarefa.

À entrada do refeitório, outro grupo de crianças utiliza o assento das cadeiras para pintar nas folhas em branco que receberam, o desenho que querem ver na parede que dá acesso ao recreio.

Foi desta forma que a Escola Básica e Jardim de Infância (EB1/JI) de Andrinos, em Pousos, assinalou, pela primeira vez, o Dia de Aulas ao Ar Livre, na quarta-feira, dia 17. O desafio foi lançado pela associação de pais, e aceite prontamente pelo corpo docente.

A iniciativa foi criada em 2012 no Reino Unido e, em 2016, chegou a Portugal por iniciativa do Movimento Bloom. Na edição deste ano, participaram mais de 62 mil crianças em Portugal e cerca de 30 escolas da região estiveram envolvidas. O principal objetivo é que os estudantes possam estar no exterior da sala de aula a aprender e aplicar matérias letivas, de uma forma mais divertida, ou seja, a brincar.

Margarida Nogueira é educadora de infância há 36 anos e há 17 que acompanha os alunos que passam pelo estabelecimento de ensino. Talvez, por isso, seja constantemente interpelada pelos alunos e coordene boa parte das atividades.

Acredita que a aprendizagem ao ar livre beneficia a concentração das crianças e facilita a resolução de problemas. “Basta olhar à nossa volta e perceber que ninguém está a impor que trabalhem. Cada aluno está empenhado na sua tarefa, seja a medir os canteiros, a fazer as contas para calcular áreas ou a desenhar a disposição dos legumes na horta”, realça.

Também Miguel Espírito Santo, professor coordenador do 1º ciclo, concorda com a necessidade das crianças “em estar cada vez mais na rua para brincar e experimentar coisas diferentes”.

Acrescenta que a escola aproveitou a iniciativa do Dia de Aulas ao Ar Livre para “pôr em prática a flexibilização curricular”, com alunos de várias idades a trabalhar em conjunto para encontrar soluções para os constrangimentos que a escola vive, nomeadamente a reabilitação dos recreios escolares. A pintura de um mural para “esconder” marcas de infiltrações e a criação de mensagens a alertar para a redução de velocidade e proximidade de escola foram outras das iniciativas que ocuparam as crianças.

Ainda que o Dia de Aulas ao Ar Livre seja assinalado só num dia, o corpo docente da EB1 de Andrinos refere que o trabalho não termina e os estudantes vão voltar em breve ao exterior para continuar a aprender e, sobretudo, brincar.

PS

(Artigo publicado na edição de 24 de maio de 2018)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda com a implementação de transportes públicos gratuitos nas cidades?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Share This