Select Page

Congresso inédito discute história da Diocese de Leiria-Fátima durante três dias

A comemoração dos cem anos sobre a restauração da Diocese Leiria-Fátima marca um momento inédito: a realização de um congresso para discutir a ação e o legado deste território eclesiástico. “Processo Histórico da Diocese de Leiria-Fátima – Congresso Evocativo do Centenário da Restauração” realiza-se entre 17 e 19 de maio, na Escola Superior de Ciências Sociais do Politécnico de Leiria, com organização do Departamento Cultural da Diocese de Leiria-Fátima e da Academia Portuguesa de História.

O que motiva este congresso?
A Diocese este ano está empenhada em celebrar o centenário da sua restauração. Vai fazê-lo de várias maneiras: com manifestações religiosas, com celebrações típicas daquilo que é o viver a fé. Mas o nosso bispo, D. António Marto, entendeu que isso não seria possível sem termos uma consciência histórica daquilo que é este território – considerando o território não apenas como os limites geográficos mas sobretudo como as pessoas que o constituem. Desde logo pediu que se fizesse um congresso de história para percebermos quem somos e que memória transportamos, para termos a consciência daquilo que depois há-de ser o futuro.

O programa abrange mais do que a restauração da Diocese de Leiria-Fátima.
Vamos começar com D. João III e a criação da Diocese. Entendeu-se que valia a pena, neste ano em que estamos a refletir a identidade da Diocese nestes cem anos, percebermos qual é essa identidade desde as suas origens. Esta é a oportunidade para fazermos um grande congresso, que vai ler o processo histórico desde a criação, no século XVI, até à atualidade, ao episcopado de D. Alberto Cosme do Amaral, deixando os episcopados de D. Serafim [Ferreira e Silva] e D. António [Marto], por estarem ainda vivos e não ser ainda matérias que consideremos trabalhar. Sobretudo entendemos que seria a altura de lançar o debate histórico que nos permitisse, daqui a algum tempo, ter as bases daquilo que há de ser a história da Diocese editada. Queremos que este congresso seja o gérmen de uma história da Diocese. Já há subsídios para isso, feitos ao longo dos anos 50 também. Mas é altura de fazer o balanço do que foi escrito, daquilo que está ainda por investigar – e imagino que os investigadores ainda estejam a fazer os últimos estudos para os virem apresentar na próxima semana.

Para quem vive a Diocese por dentro, qual é a expectativa em torno deste congresso?
Estou com muita expectativa. Sabemos que alguns investigadores vão dizer coisas que já conhecemos mas esperamos que haja novidade. Queremos também fazer ligação à história regional e local. É impossível estudar a história de um território eclesiástico sem perceber que ele está em rede muito estreita com o que são os decisores deste lugar, desta parcela do país. Queremos perceber como os congressistas vão fazer essa ligação ao território mais amplo e como os diferentes agentes da Diocese se relacionaram com os decisores dos governos locais e até nacionais.

Há muitas ligações entre a história da Diocese e a história do dia a dia das populações…
Desde logo o ouvir tocar o sino da torre, que é um equipamento que está num edifício da Catedral, mas que serve toda a comunidade. Isto é simbólico de tudo o que se poderia dizer. Este não é um congresso onde se vão tratar temáticas teológicas. Vão tratar-se temáticas históricas, o acontecido no tempo por ação dos agentes diocesanos que estão em estreita ligação com o território. Quisemos que o congresso tivesse uma componente de ligação à comunidade através da parte cultural: no primeiro dia vamos ter um concerto na Catedral, aberto a toda a comunidade (mesmo a quem não está inscrito no congresso) e, no segundo, vamos fazer uma visita à exposição que está no Museu de Leiria. Também quisemos que o congresso decorresse no Politécnico de Leiria e não nos “muros” da Diocese. Com isto estamos a trabalhar com aquilo que é o sentido da Igreja na atualidade, na linha do que é o pensamento do papa Francisco, que o nosso bispo acolhe e difunde muito bem: ir às periferias e rasgar as fronteiras. Uma das formas de dialogarmos com a sociedade, enquanto Igreja, é esta da investigação cultural e histórica.

Que resposta espera do público?
Gostaria que o público acorresse em massa. Quanto mais conhecemos o território da Diocese, mais conhecemos também o território em que habitamos. Isto não tem nada a ver com credos nem com a maneira de sentir a religião. Tem a ver com a identidade de um lugar, marcada, obviamente, pela ação da Igreja neste território.

Qual a importância da Diocese de Leiria no contexto nacional?
Sabemos pouco sobre este território, precisamente por ele ficar no “finisterra” daquilo que é a Diocese de Coimbra e a Diocese de Lisboa. Isso fez com que até a historiografia tivesse olhado pouco para este território. De todo o modo, Leiria surge na época de D. João III, o nosso rei humanista, no século XVI, um tempo em que as ideias estão voltada para uma escala mais humana e não tanto ao teocentrismo da Idade Média. Há essa necessidade de assistir à população que está aqui, provavelmente porque se entendeu que nem a Diocese de Coimbra nem a de Lisboa estariam a fazer a assistência devida a este território. Quando a Diocese é extinta, é por uma questão de gestão dos dinheiros da dioceses em Portugal. Quando as pessoas deste território conseguem demonstrar novamente à governação, já da República – nada favorável à questão religiosa -, que é necessário novamente ter um bispo aqui para assistir de forma eclesial a este território, é porque se demonstra que é muito importante a presença da igreja local com uma cátedra, com assento do bispo, neste local. Estou convencido que a Diocese de Leiria é uma peça-chave naquilo que é a orgânica das dioceses em Portugal. Espero que este congresso o venha a demonstrar.

Sem Fátima haveria restauração da Diocese?
Claramente. Está demonstrado e, um dos oradores, D. Carlos de Azevedo, publicou um livro em que trata o processo de restauração da Diocese a partir do arquivo secreto do Vaticano. E é muito claro: já antes da notícia de Fátima, estava em curso esse movimento para a restauração da Diocese. Não é o fenómeno de Fátima que dá origem a essa necessidade de haver aqui uma circunscrição eclesiástica. Isso vai ser demonstrado neste congresso.

Que ideia gostava de resultasse do congresso?
Vou à espera de ser surpreendido. Gostava que estas temáticas fossem uma parte dessa futura história da Diocese. Esta geração que está a evocar o centenário da Diocese tem a responsabilidade de olhar para o passado e deixar uma herança ao futuro. Essa herança pode passar por aqui. O que tentámos fazer foi, sem termos uma história da Diocese, inscrever as áreas temáticas que pensamos possam vir a dar essa futura publicação. Oxalá estes historiadores lancem as bases para isso.

Marco Daniel Duarte, diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, fala ao REGIÃO DE LEIRIA do Congresso Evocativo do Centenário da Restauração, um passo que considera decisivo para a futura publicação de uma história da diocese. A reflexão ao longo dos três dias vai, acredita, sublinhar a importância da Diocese no panorama das dioceses nacionais. 

Programa

Construído em parceria com a Academia Portuguesa de História – para envolver “uma plêiade de investigadores ligados a várias escolas historiográficas” -, o congresso arranca com a criação da Diocese, “tentando perceber, no mapa político, das dioceses à época, porque é que surge aqui mais uma diocese, por D. João III, entre Coimbra e Lisboa”, explica Marco Daniel Duarte. Também se analisa a ação das elites locais, à luz do Concílio de Trento e da ideia de que “a Igreja Católica tinha de formar elites para dar assistência às populações. Os bispos e as elites da cidade perceberam isso muito bem”. Os bispos da época moderna merecem também um painel, antes da questão da extinção da Diocese: “Quando foi extinta não foram apenas as elites eclesiásticas que alimentaram as ideias da Diocese ser restaurada. As elites camarárias e as forças vivas da cidade, e de todas as cidades que estavam na circunscrição de Leiria (Porto de Mós, Batalha, Ourém), foram a Lisboa reivindicar que se trouxesse de novo o estatuto de diocese a Leiria”. D. Carlos Azevedo vem de Roma para tratar o assunto.

No segundo dia, D. Manuel Clemente, bispo de Lisboa e historiador, fala sobre “a diocese extinta até ter o estatuto de diocese central na vida ecleciástica do país, sobretudo pela questão de Fátima. É uma centralidade não apenas no país, mas mundial”, nota Marco Daniel Duarte. Sexta-feira, dia 18, será também importante para perceber o património artístico da Diocese, “uma área que nos escapa quando andamos pelas ruas”, diz o diretor do Departamento do Património Cultural, lembrando a Sé Catedral, o Santuário dos Milagres ou a imagem da Senhora da Encarnação.

Tanto quinta como sexta-feira, Carlos Fernandes fará um apontamento sobre os rostos da história ignorada da Diocese nos últimos cem anos. “São pessoas que se calhar vão escapar à história geral, porque não ficam nos arquivos, ou só vão ficar daqui a muitos, muitos anos”. 

O terceiro e último dia do congresso fixa-se sobre o tempo contemporâneo, na ação de D. José Alves Correia da Silva, primeiro bispo da Diocese restaurada, de D. João Pereira Venâncio e de D. Alberto Cosme do Amaral. Para o próprio Marco Daniel Duarte sobra “Diocese de Fátima”: “É uma provocação que procura trazer para este território que é espacial uma espécie de território psicológico”. Ou seja: uma diocese em que os bispos têm de legislar sobre peregrinos que chegam de dioceses de todo o mundo.

Outras informações aqui.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A programação da Capital Europeia da Cultura deve ou não incluir espetáculos tauromáquicos?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This