Select Page

Acampamento junta 2.500 escoteiros na Barosa e promete fazer a diferença

Montagem do ACNAC arrancou na segunda-feira na Barosa. Domingues António e David Otero, entre escoteiros de Aveiro, Barosa e Queluz Foto: Joaquim Dâmaso

É o maior acampamento nacional realizado pela Associação de Escoteiros de Portugal (AEP) aquele que traz durante uma semana, à Barosa, cerca de 2.500 jovens e dirigentes escoteiros, incluindo estrangeiros. O mega acampamento, que promete animar durante sete dias toda a região, começa este domingo na zona do parque de merendas da Barosa, onde irá ocupar cerca de 20 hectares.

Subordinado ao tema “A diferença sou eu”, o evento está a ser preparado há cerca de dois anos, tendo sido escolhida a proposta apresentada pelo grupo 251 da Barosa de entre 15 candidaturas. Pesou na escolha da estrutura nacional o facto de a Barosa possuir “uma grande zona arvorada e boa para acampar”, e, num raio de 50 quilómetros, grandes potencialidades para a realização das mais de 1.500 atividades programadas, explica ao REGIÃO DE LEIRIA David Otero, coordenador geral do 25º ACNAC – Acampamento Nacional da AEP.

“Este recinto é espetacular”, sublinha, referindo que vários particulares cederam terrenos confinantes para a montagem do campo. Este inclui uma arena – onde terá lugar a cerimónia de abertura no domingo, dia 29, às 18 horas -, um hospital de campanha com vários médicos e enfermeiros, uma cozinha central para a alcateia (lobitos) e equipa de coordenação, zonas de balneários e sanitários, e áreas de acampamento para as quatro divisões – alcateia de lobitos (dos 6 aos 11 anos), tribo de escoteiros (dos 11 aos 14 anos), tribo de exploradores (14 aos 17 anos) e clã dos caminheiros (17 aos 21 anos) – e para o staff.

Respeitando o mote do evento que visa promover a multiculturalidade e a aceitação da diferença, foi atribuído a cada subcampo um “continente”, estando prevista a dinamização de atividades relacionadas com as respetivas culturas: Ásia para os lobitos, África para os escoteiros, Europa para os exploradores, Américas para os caminheiros e Oceânia para a chefia.

No final do encontro, dia 4, e como é apanágio do movimento, os escoteiros procurarão deixar o local “melhor do que o encontraram”, adianta David Otero. A segurança é outra pedra de toque destes encontros, tendo sido elaborado com a Proteção Civil Municipal de Leiria um plano de emergência para o evento e destacada uma equipa de dirigentes com formação específica nessa área. O campo estará ainda vedado ao público. Já os transportes serão garantidos por uma frota de 30 a 40 autocarros da Rodoviária do Lis. O check-in e o chek-out terão lugar junto às piscinas municipais, onde decorrerá, na sexta-feira à noite, dia 3, a festa de encerramento.

Entretanto, haverá caminhadas, jogos, desportos radicais e aquáticos, passeios, workshops temáticos em campo, atividades de orientação um pouco por toda a região, entre a Figueira da Foz e a Lagoa de Óbidos, para todos os escoteiros.

Associando-se às comemorações do Ano Europeu do Património Cultural, e retribuindo com iniciativas de cariz solidário, comunitário e ambiental, o apoio dado localmente por diversas entidades, nomeadamente o município de Leiria, o 25º ACNAC irá dar primazia à valorização do património, estando a sexta-feira reservada a um grande jogo de cidade e ações de limpeza no percurso Polis, horto municipal, Sª do Monte e Sª da Encarnação, e pintura de muros grafitados na zona da Vala Real, Tribunal de Leiria, Marachão, Biblioteca Municipal e Villa Portela. 

Uma semana com o maior ACNAC de sempre

O último ACNAC teve lugar há sete anos. Para o seu 25º acampamento nacional, a AEP, fundada em 1913, escolheu a Barosa pela sua localização privilegiada e potencialidades para acolher cerca de 2.500 escuteiros.

De domingo, 29 de julho, a 4 de agosto, serão dinamizadas mais de 1.500 atividades em vários pontos da região. Com cerca de 13 mil escoteiros distribuídos por 203 unidades no Continente e Regiões Autónomas, a AEP segue os princípios e espírito do movimento escotista fundado por Baden-Powell, distinguindo-se do Corpo Nacional de Escutas (CNE) por não estar ligada a qualquer confissão religiosa.

O grupo 251 da Barosa nasceu oficialmente a 28 de dezembro de 2013, depois de ano e meio de preparação. É a única unidade da AEP do distrito, e está entre as maiores do país com um efetivo de 109 elementos: 30 lobitos, 32 escoteiros, 27 exploradores, 13 dirigentes e sete representantes dos pais.

Quanto ao sucesso do 25º ACNAC, que está a ser preparado “incansavelmente” há já dois anos, a AEP e o grupo da Barosa partilham do mesmo otimismo. “A expetativa é grande” e “o programa excecional”, destaca David Otero, realçando o número “altíssimo” de participantes. “É a primeira vez que conseguimos juntar pessoas de todos os municípios em que temos grupos de escoteiros”, refere ainda.

Domingues António, chefe do grupo 251 da Barosa, também não esconde o seu entusiasmo. “Para nós é uma responsabilidade muito grande” e “estamos superfelizes de receber tanta gente”.

“Para a Barosa vai ser uma experiência inesquecível”, assim como para Leiria, nomeadamente no dia 3, em que cerca de 2.500 escuteiros irão desenvolver atividades que vão “marcar a cidade”. Quanto ao crescimento da unidade, adianta que tem sido muito procurada e que conta com escoteiros de Leiria, da Marinha Grande e até de Alfeizerão. Acrescenta que mantém uma boa relação com o CNE, tendo o grupo sido já convidado a participar nas comemorações do dia do BP e acampamentos regionais.

(Artigo publicado na edição de 26 de julho de 2018 do REGIÃO DE LEIRIA)

Martine Rainho
Jornalista
martine.rainho@regiaodeleiria.pt

Embora de âmbito nacional, o ACNAC irá contar com a participação de 250 escoteiros estrangeiros, entre os quais um contingente de cem elementos de Israel, e mais 150 jovens e dirigentes de S. Tomé e Príncipe, Ucrânia, Bélgica, França e Luxemburgo

Para nós é uma responsabilidade muito grande e estamos super felizes de receber tanta gente. Para a Barosa vai ser uma experiência inesquecível.

Domingues António

Chefe do Grupo 251 da Barosa da Associação de Escoteiros de Portugal

É a primeira vez que conseguimos juntar pessoas de todos os municípios em que temos grupos de escoteiros.

David Otero

Coordenador-geral do ACNAC

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da semana

A carregar

Concorda com a lei que proíbe o abate de animais nos canis municipais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Região de Leiria no Facebook

Subscrição de newsletter

Share This