Select Page

Morreu José Batista de Matos, o rosto português do Museu da Imigração em França (atualizada)

Morreu José Batista de Matos, o rosto português do Museu da Imigração em França (atualizada)

José Batista de Matos, dirigente associativo, antigo conselheiro das comunidades portuguesas e rosto da emigração lusa no Museu Nacional da História da Imigração em Paris, morreu este domingo à noite, em Portugal, aos 84 anos.

O corpo de Batista de Matos estará na casa de velar da Batalha, a partir das 20 horas de terça-feira, dia 3 de julho. O funeral, com missa de corpo presente, realiza-se às 11 horas, na capela de Alcanadas, Batalha, sua terra natal.

O emigrante foi membro fundador e dirigente da Associação Portuguesa de Fontenay-sous-Bois, inaugurou o primeiro monumento ao 25 de Abril de 1974, fora de Portugal, em Fontenay-sous-Bois, trabalhou na geminação da cidade com a Marinha Grande, foi Conselheiro das Comunidades durante oito anos e publicou dois livros: “História, cultura e tradições das Alcanadas” (2005) e “Uma vida de militância cívica e cultural” (2011).

José Batista de Matos chegou ao ‘bidonville’ de Champigny em abril de 1963 para “fugir à ditadura”, deixando para trás as “idas de bicicleta à Marinha Grande para ir buscar o Avante” e as escutas clandestinas, em casa, da rádio Voz da Liberdade e da Rádio Moscovo.

O português chegou a França sem falar a língua, foi encarregado-geral no metro de Paris onde ajudou a construir 23 estações, e, em maio de 68, associou-se aos protestos e foi um dos instigadores da greve numa estação da capital francesa.

Em fevereiro passado, no seu apartamento em Fontenay-sous-Bois – onde guardava vários objetos dos tempos do bairro de lata- José Batista de Matos contava à Lusa que o Maio de 68 foi “a essência” da sua vida e que sempre se bateu para “ressuscitar um pouco o maio de 68″ porque é preciso “combater as desigualdades porque 2% da população do mundo tem tanto como 98% do mundo”.

A essa data, o português continuava a ser o rosto da emigração lusa no Museu Nacional da História da Imigração em Paris, com o seu capacete do trabalho, diplomas, fotografias, passaporte e um desenho a ilustrar o momento em que ele e dois companheiros penduraram uma bandeira vermelha numa grua em protesto contra a mega-manifestação de apoio ao General de Gaulle no final de maio de 68.

Foi nos primeiros dias desse mês, durante a pausa de trabalho das obras do metro de Charles de Gaulle-Étoile, que Batista de Matos teve “a visão apocalíptica” e viu “o largo ao lado do Arco do Triunfo cheio de jovens sentados”, foi falar com eles e sentiu “o germinar da vontade” de participar nos protestos.

Depois, foi à universidade da Sorbonne e integrou uma comissão de estudantes-trabalhadores, a partir da qual organizou a greve junto dos seus colegas operários, mesmo sendo ele chefe de obras de uma equipa.

“Fizemos reuniões na Sorbonne e tentei com outros amigos – alguns franceses, um ou dois portugueses – parar o ‘chantier’ na Étoile, em que havia 60, 70 e tal pessoas. E conseguimos parar aquilo. O trabalho parou completamente”, recordava à Lusa a propósito dos 50 anos do Maio de 78, descrevendo o momento como “uma vitória muito grande”.

José Batista de Matos começou a participar nas manifestações e ia às reuniões na Sorbonne do ‘comité ouvriers-étudiants’ porque aquele mês foi para ele “o sonho de um mundo melhor” e “ao fim de 28 dias” conseguiu um aumento de 35 francos por semana”, tudo “recordações fabulosas, não só a parte material mas a consciencialização das pessoas”.

O português participou nas manifestações de rua porque “tudo se pode vencer com o número de pessoas”, viu muita gente “a mandar até botas e ‘pavés’ [partes da calçada] à polícia” e chegou a ir a algumas reuniões na Sorbonne e no teatro Odéon ocupados.

“Foi a primeira vez, na minha vida de homem, que no Odéon os senhores professores, doutores, se tratavam todos por tu. Não havia você, não havia senhor doutor. Aquilo transformou-me”, contou o autor de “Uma vida de militância cívica e cultural”, acrescentando que na sua boca tinha sempre a palavra “liberdade”.

Em 2012, Batista de Matos recebeu a Comenda da Ordem Nacional de Mérito e há duas semanas recebeu a Medalha da Cidade de Fontenay-sous-Bois.

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da semana

A carregar

Concorda com a lei que proíbe o abate de animais nos canis municipais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Região de Leiria no Facebook

Subscrição de newsletter

Share This