Select Page

DocLisboa. Menção honrosa e prémio para Laura Marques, a realizadora-guardadora de vacas

Há alguns verões que Laura Marques repete o ritual: deixa Leiria e Portugal e vai até os Alpes suíços guardar vacas. Dessa experiência e do projeto final para o mestrado em Antropologia – Culturas Visuais surgiu a ideia para “Vacas e rainhas”, filme que estreou no DocLisboa, onde recebeu a menção honrosa do júri da competição portuguesa e o Prémio Fundação Inatel. Laura falou ao REGIÃO DE LEIRIA sobre “Vacas e rainhas”, que ainda não tem data de exibição prevista em Leiria

Do que trata Vacas e Rainhas?
“Vacas e Rainhas” resulta de um dos verões em que tenho trabalhado como guardadora de vacas Herens nos Alpes suíços. Estas vacas são principalmente criadas para torneios nos quais a vencedora recebe o título de “Rainha”. Na sua origem, e em estado “natural”, os combates servem para definir posições na hierarquia da manada. O filme gravita em torno de questões de poder entre homens e outros animais, apoiando-se na minha experiência pessoal e, até certo ponto, na experiência das próprias vacas.

Como surgiu a ideia para o filme?
O filme resultou da conciliação entre o projecto final para o Mestrado em Antropologia-Culturas Visuais e o trabalho que fazia então durante o verão – guardar vacas. Entre os conceitos de “perspectivismo” de Eduardo Viveiros de Castro, a etnografia-multiespécies de S. Eben Kirksey e Stefan Helmreich ou a “etnoficção” de Jean Rouch, a teoria serviu para dar uma direcção mais concreta àquilo que ficou como “Vacas e Rainhas”.

Este é o seu primeiro filme. Como foi a experiência?
Foi bastante sui generis, no sentido em que tive que conciliar papéis relativamente antagónicos como o de pastora e o de realizadora. Se o primeiro tinha absoluta prioridade e exigia que fizesse de tudo para que nenhum incidente se passasse, o segundo ansiava por todas as falhas possíveis de controlo. Quando trabalhas com tantos seres vivos, é inevitável que algo aconteça. Qualquer coisa. E, se havia certos planos que queria filmar desde início, a maior parte surgiu de puro improviso e por reacção aos acontecimentos. Tive que aprender tudo de forma bastante autodidata, desde o filmar, à captação de som, à edição. Contei também com o apoio generoso e entusiasta das minhas orientadoras (Amélia Frazão Moreira e Hannah Parathian) perante este objecto meio bizarro no contexto da academia e da Antropologia em particular. Para além disso, e não menos importante, só pude terminar o filme com relativa qualidade porque tive a ajuda de muitos amigos: o Giorgio Gristina fez a pós-produção do som, o Ricardo Mesquita tratou da correcção de cor, a Raquel Pinto fez o grafismo e o António Repolho compôs e tocou as músicas do filme. Foi uma experiência de perseverança e amor.

O que significa a menção honrosa no DocLisboa?
Não quero de todo fazer a apologia do cinema do desenrasca. O financiamento, para um cinema o mais livre possível, tem que existir. Contudo, penso que tanto o júri da Competição Portuguesa como o do Prémio Fundação INATEL tiveram a sensibilidade para ir para acolher o olhar e o gesto deste filme com parcos recursos. E, como todos os prémios, são incentivos para continuar a fazer algo em que já acreditaste mais sozinho.

Como foi o feedback do público?
Foi muito caloroso. Penso que o humor e a ironia do filme tiveram bastante eco e isso foi maravilhoso. Tanto amigos, como desconhecidos ou membros da equipa do DocLisboa vieram falar comigo e estou muito grata por isso, por essa partilha.

Depois de “Vacas e Rainhas” tem outros projetos artísticos em mente?
Sim, sempre. Vou continuar a colaborar com o colectivo West Coast – que tem trabalhado com ecologia, performance e artes plásticas –, quero voltar a dar mais concertos de música improvisada e estou agora a preparar o projecto para um novo filme.

Laura Marques foi distinguida pelo júri do DocLisboa logo na estreia como realizadora. Recebeu ainda o Prémio Prática, Tradição e Património – Prémio Fundação Inatel para melhor filme de temática associada a práticas e tradições culturais e ao património imaterial da humanidade

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda com a redução de 50% do tarifário dos passes dos transportes públicos?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Share This