Um homem indiciado pela prática do crime de violência doméstica na Batalha, distrito de Leiria, ficou em prisão preventiva, disse hoje, quarta-feira, a Procuradoria da Comarca de Leiria, através de comunicado na sua página de internet.

“Existem forte indícios de o arguido, de 38 anos, ter agredido física e psicologicamente, de forma reiterada, a sua mãe, na residência de ambos”, refere o Ministério Público.

No âmbito da investigação, dá conta a GNR da Batalha, “apurou-se que o suspeito agredia física e psicologicamente a sua mãe, com 67 anos e com limitações físicas, há cerca de 10 anos, ameaçando-a de morte reiteradamente”. “O suspeito tinha por hábito sujeitar a sua mãe, a humilhações e tratamentos degradantes, causando-lhe um estado de humilhação e ansiedade, temendo, várias vezes, pela sua própria vida”.

O suspeito, já com antecedentes criminais pelos crimes de ameaça agravada e violência doméstica, foi presente a primeiro interrogatório judicial, no dia 13, indiciado da prática do crime de violência doméstica agravada, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva.

A investigação é dirigida pelo MP da Secção de Porto de Mós do DIAP de Leiria, com a coadjuvação do Núcleo de Investigação e de Apoio a Vítimas Específicas (NIAVE) da GNR de Leiria.

Também em Caldas da Rainha, outro indivíduo indiciado pela prática do crime de violência doméstica, ficou em prisão preventiva.

O Ministério Público da 2ª Secção das Caldas da Rainha do DIAP de Leiria apresentou na segunda-feira, dia 15, a primeiro interrogatório judicial, um indivíduo, detido pela GNR do Posto Territorial de Óbidos, em situação de flagrante delito, no dia anterior.

Segundo o comunicado divulgado na página da Comarca, “existem fortes indícios de o arguido, de 51 anos, ter ameaçado de morte e molestado verbal e fisicamente, designadamente com uma faca, a sua ex-companheira” e mãe das suas filhas.

Fonte da GNR refere que o caso foi acompanhado na sequência de uma denúncia de violência doméstica, “em que o suspeito esfaqueou na zona abdominal e cabeça a sua ex-companheira de 46 anos”, tendo depois abandonado o local.  “Os militares acabaram por conseguir abordar o suspeito nas traseiras da estação de serviço da A8, procedendo à sua detenção”, enquanto a vítima teve necessidade de receber assistência hospitalar, na sequência dos ferimentos provocados pela agressão, tendo alta no mesmo dia.

O indivíduo “manteve uma relação com a vítima entre 2003 e 2017, em que a agredia física e psicologicamente, ameaçando-a reiteradamente de morte”. Em situação irregular em território nacional desde agosto de 2016, o suspeito encontrava-se a cumprir pena suspensa de 2 anos de prisão, com proibição de contato por qualquer meio com a vítima e afastamento da sua residência em Coimbra, pelo mesmo tipo de crime e contra a mesma vítima.

Com sentença ainda não transitada em julgado, o juiz do tribunal de Caldas da Rainha aplicou-se a medida de coação de prisão preventiva.

A investigação prossegue sob a direção do MP da 2ª Secção das Caldas da Rainha do DIAP de Leiria. 

MG