Assinar
Óbidos

Circulação integralmente reposta no IP6, entre Óbidos e Peniche, depois das obras

A circulação no troço do IP6 entre Óbidos e Peniche fica reposta esta quarta-feira, depois de concluídos os trabalhos de estabilização da plataforma rodoviária junto ao viaduto de Olho Marinho.

O troço em causa estava desde 2017 encerrado ao trânsito, devido à abertura de fendas no pavimento. Foto: IP

Estão concluídas as obras de reparação do IP6, no troço junto ao viaduto de Olho Marinho. Com o fim dos trabalhos, ficam repostas até ao final da manhã desta quarta-feira, dia 27, as condições de circulação com abertura das duas vias por sentido entre Óbidos e Peniche.

Segundo informação da Infraestruturas de Portugal, a empreitada, que começou em junho deste ano, representou um investimento de 2,5 milhões de euros,  abrangendo “a reparação de duas zonas do IP6, junto ao encontro do Viaduto de Olho Marinho, ao quilómetro 13,670 e na zona de aterro entre o quilómetro 14,100 e o quilómetro 14,430”.

Os trabalhos contemplaram, entre outras intervenções, o reforço do aterro com colocação de malha de estacas, a execução de um maciço de encabeçamento em betão armado e geogrelha de reforço, e construção de muros de suporte.

O troço em causa estava desde 2017 encerrado ao trânsito, devido à abertura de fendas no pavimento.

O trânsito foi fechado e a circulação em ambos os sentidos passou a fazer-se pela faixa de rodagem contrária e com condicionamento de velocidade, na sequência de um acidente ocorrido em meados de junho de 2017, em que o despiste de um veículo foi causado pela existência de fendas que atingem uma altura de 60 centímetros e uma largura de 20 centímetros.

Entretanto, em agosto, a IP anunciou novas intervenção no IP6, entre Peniche e a A8/IC, no âmbito de um concurso público com um valor base de 12,1 milhões de euros para a realização de trabalhos de conservação corrente e operação na A23, IC10 e IP6.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.