O Município da Batalha vai adotar um programa de gestão de resíduos de construção e demolição (RCD), com o objetivo de reduzir as descargas ilegais, anunciou hoje aquela autarquia do distrito de Leiria.

O programa ambiental, que se deverá iniciar em 2020, conta com um investimento inicial de cerca de 20 mil euros, a que acrescem novos recursos municipais afetos a “este objetivo de prevenção ambiental e diminuição da pegada de carbono”, adianta uma nota de imprensa.

A Câmara da Batalha refere que este projeto promove a interação dos diversos agentes ao longo da cadeia associada aos RCD, de forma a incrementar uma organização da cadeia de valor mais sustentável, em linha com os princípios da economia circular.

Segundo a autarquia, o setor da construção civil é responsável por uma parte muito significativa dos resíduos gerados em Portugal, situação comum à generalidade dos demais Estados membros da União Europeia, em que se estima uma produção anual global de 100 milhões de toneladas de resíduos de construção e demolição.

“Para além das quantidades muito significativas que lhe estão associadas, sabe-se que o fluxo de resíduos apresenta outros riscos que dificultam a sua gestão e controlo, pelo que se exige das entidades uma ação mais próxima dos produtores de RCD”, acrescenta a mesma nota.

O presidente do Município da Batalha, Paulo Batista Santos, afirmou, citado no comunicado, que o objetivo é “contribuir para a minimização dos prejuízos ambientais decorrentes da gestão dos resíduos de obras de construção, sendo determinados na fiscalização e parceiros na recolha e recondução destes materiais a aterro legalizado”.

Lusa