Os jovens que aproveitam o ano sabático para percorrer a Europa à procura de experiências, são o mais recente alvo da atenção da política de promoção turística de Porto de Mós.

A ideia concretizou-se num artigo publicado pela Gap Year, uma organização não governamental (ONG) que pretende promover o conceito, batizado com o termo inglês (gap year) e que remete para a ideia de um ano sabático.

A prática, popular sobretudo entre os jovens que, usualmente no final de um período de formação, dedicam vários meses a conhecer outros locais e países, foi encarada como uma oportunidade.

Mas Jorge Vala, presidente da Câmara de Porto de Mós, adianta que o objetivo vai para além da mera captação turística. Captar novos residentes com capacidade empreendedora é o grande objetivo.

Este é “um turismo que nos interessa: jovem e com ideias para empreender, para ser empreendedor e, podendo ser empreendedor, sê-lo cá”, explica.

O contacto com a natureza, o turismo ativo e a espeleologia, são alguns dos aspetos sublinhados no artigo dedicado a Porto de Mós, publicado em dezembro no site da Gap Year, plataforma que se dedica à divulgação de ofertas para este tipo de público.

O autarca de Porto de Mós lembra que o concelho tem tradição no acolhimento de jovens estrangeiros envolvidos em vários projetos.

Esta aposta pretende “não só promover o território, mas sobretudo captar o jovem turista para o fixar, tendo no turista um empreendedor”. Acresce que o património natural e a espeleologia são atrativos para novas componentes de formação pós-graduada, explica ainda Jorge Vala.

CSA