Select Page

Ministra da Cultura garante acesso sem restrições à igreja do Mosteiro de Alcobaça

Primeira fase das obras de requalificação do Mosteiro vão reorganizar a receção do Mosteiro Foto: Joaquim Dâmaso

A entrada na igreja do Mosteiro de Alcobaça não sofrerá restrições apesar das obras no monumento, garantiu a ministra da Cultura, Graça Fonseca, em resposta a uma moção exigindo o acesso universal àquele património.

O compromisso da governante foi hoje, segunda-feira, divulgado pelo presidente da concelhia socialista de Alcobaça, Rui Alexandre, primeiro subscritor de uma moção a que Graça Fonseca respondeu com a garantia de que “a porta da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça não encerrou nem está previsto que encerre, não estando em causa qualquer restrição de acesso”.

A moção, aprovada por maioria numa assembleia intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Oeste (OesteCim), recusava que a porta da igreja fosse “fechada” ou que se mantivesse “aberta com entrada restrita e controlada por funcionários ou seguranças”, o que representaria uma “violação do princípio da igualdade”.

A eventual restrição tinha por base as obras de requalificação do Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, iniciadas no segundo semestre de 2019, e que resultaram na alteração do circuito de visita do monumento, deixando os visitantes de entrar pela igreja, como era prática há vários anos.

Citada num comunicado emitido pelo PS local, a ministra esclareceu não estar em causa “qualquer restrição de acesso à igreja nem tão-pouco qualquer violação do princípio da igualdade”.

Ao invés, refere o comunicado, “será implementado um novo circuito de visita, tendo em vista melhorar as condições de fruição do monumento”, sem implicar o encerramento da porta da igreja.

A mesma posição tinha já sido expressa pela Direção Geral do Património Cultural (DGPC), em junho de 2019, aquando do anúncio da intervenção orçada em cerca de um milhão de euros.

A obra divide-se em duas fases, a primeira das quais tem o valor de 320 mil euros e vai possibilitar a reorganização da receção do mosteiro, retirando da igreja “um balcão destinado à venda de ingressos e posto de loja”, explicou a DGPC.

Quando concluída a intervenção, a entrada dos visitantes no monumento passará a ser feita pela antiga portaria do mosteiro, no antigo Palácio das Hospedarias, com a designação de Ala Norte.

A obra contemplará também a transferência da loja, atualmente instalada no antigo Parlatório, para a Sala das Conclusões, com acesso direto para a fachada principal, onde o visitante finalizará a visita.

A segunda fase da obra incidirá na conservação e restauro das fachadas oeste e norte do mosteiro, estimada em 700 mil euros.

As obras integraram-se numa candidatura conjunta do Convento de Cristo, Mosteiro da Batalha e Mosteiro de Alcobaça ao Programa Operacional do Centro Portugal 2020 – Operação Património Cultural da UNESCO.

Lusa

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

As autarquias deveriam aplicar coimas aos feirantes pelo lixo deixado no recinto dos mercados de rua?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo