A associação francesa “Sauvons le Pinhal Real” (“Vamos salvar o Pinhal do Rei” em português) lançou um desafio à população e recebeu uma resposta acima de qualquer expectativa.

Em poucos dias, a associação, criada por Joana Conde, uma luso-descendente com origens em Boa Vista, Leiria,  conseguiu reunir 450 voluntários para plantar 30 mil árvores no Pinhal de Leiria, entre os próximos dias 7, 8 e 9 de fevereiro.

“Os pedidos e emails são muitos e ainda bem!”, diz, lamentando o seu atraso também numa resposta ao REGIÃO DE LEIRIA. “[A reação ao vosso artigo] foi uma surpresa imensa, superou as expectativas todas! De facto, já tenho muitos grupos de Lisboa, de escolas, clubes de desporto, empresas, particulares,… As inscrições estão fechadas, já conseguimos reunir 150 voluntários por dia, e vamos privilegiar as pessoas da região”, refere.

Contudo, com o objetivo de dar resposta a todas as solicitações e continuar a contribuir para a reflorestação da mata nacional, Joana Conde criou “uma campanha de angariação de fundos” no seu perfil de facebook e se conseguir reunir contributos, pretende repetir a iniciativa. “Se poder fazer outra, será com muito gosto”, afirma.

Segundo explicou ao REGIÃO DE LEIRIA, no passado dia 20, depois do fogo de outubro de 2017, e apesar da distância, Joana Conde não conseguiu ficar de braços cruzados e  dinamizou uma angariação de fundos para contribuir para a reflorestação da mata. Conseguiu a colaboração do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), que se associou à ideia, selecionou um talhão de 24 hectares e irá fornecer as árvores para a sua plantação. Já Joana Conde irá assumir o custo da limpeza e preparação do terreno, a par da coordenação da iniciativa e angariação de voluntários.

MG/MR