Hélder Vigia é outro português natural da Nazaré tripulante do Diamond Princess, atracado no Japão. É técnico de manutenção, tem 49 anos, é casado e pai de duas jovens, de 16 anos e 25 anos. Em entrevista ao REGIÃO DE LEIRIA descreve o ambiente que se vive no navio, onde outro nazareno, Adriano Luís Maranhão, foi infetado pelo Coronavírus.

Como estão as coisas consigo? Já tem o resultado do seu teste?
Estou bem, penso eu, mas dos resultados nada. É mais o stress, uma pessoa não é de ferro e ainda menos eu que sou um bocado nervoso.

Há mais alguém da nossa região, do distrito de Leiria, no navio?
Há um colega meu, que é de Alcobaça. Chama-se Daniel Silvério Mateus e é carpinteiro.

O senhor pode andar no navio ou tem de estar na cabina?
Até à data posso andar. Dizem que vai começar a quarentena para nós, mas não sei quando – deve ser quando estivermos todos com Coronavírus!

Estão a ser bem tratados? Têm apoio das autoridades?
Até à data não temos confirmação do resultado do teste da saliva ou quando fazem mais testes. Nós estamos a comer a comida que vem de fora do navio. E queremos é que isto se resolva o mais rápido possível, se não damos em loucos.

Que mensagem quer deixar às autoridades portuguesas?
Que tomem conta do caso e tratem de nos tirar daqui o mais rápido possível para Portugal, não para Itália onde queriam fazer a quarentena e depois ficávamos lá abandonados.

 

 

Carlos Ferreira
Jornalista
redacao@regiaodeleiria.pt