Assinar Edições Digitais
Cultura

Génesis: Uma “ode visual” sobre o incrível mundo por descobrir no centro de Leiria

Exposição traz 20 fotografias de grande dimensão para ver no Largo Goa, Damão e Diu, com a assinatura do brasileiro Sebastião Salgado.

Exposição Génesis

Durante oito anos, Sebastião Salgado percorreu sítios onde o homem não deixara, ainda, a sua marca: desde desertos a icebergs, passando por ilhas, florestas e vulcões Foto: Sebastião Salgado

“Uma longa carta de amor ao planeta”. Foi assim que o fotógrafo Sebastião Salgado se referiu a “Génesis”, exposição que é apresentada no centro de Leiria, ao ar livre (junto à Fonte Luminosa), até quarta-feira, 19 de fevereiro. Nestas fotografias a preto e branco de grande dimensão estão retratadas paisagens, animais e pessoas que foram capazes de escapar à influência do mundo moderno e que foram registadas pelo fotógrafo brasileiro em regiões polares, glaciares, bosques, savanas, tropicais, desertos ou ilhas isoladas.

“Os meus projetos anteriores foram périplos através das tribulações da humanidade. No entanto, este foi a minha homenagem ao esplendor da natureza”, disse Sebastião Salgado sobre a exposição que anda em itinerância pelo mundo.

“Génesis” resulta de um projeto iniciado em 2004, num percurso de oito anos pelo mundo ainda virgem. Salgado viajou pela Antártida, Madagáscar, Botsuana, o Parque Nacional Kafue, na Zâmbia, a meseta do Colorado, nos Estados Unidos da América, o Alasca, o arquipélago das Galápagos, no Equador, a Sibéria ou a selva do Amazonas. “Ao viajar a pé, em embarcações, avionetas e balões, enquanto fotografava vulcões, icebergs, desertos e selvas, contemplei um mundo que não mudou em milénios”, relatou o fotógrafo, citado pela agência Lusa. Nesses lugares, cruzou-se com animais no seu habitat natural, “desde pinguins, leões marinhos e baleias do Antártico e do Atlântico Sul até leões, gnus e elefantes de África” e sentiu que era “um privilégio contemplar os ciclos da vida em contínua repetição”.

A Leiria chegou a 23 de janeiro parte da exposição – foram selecionadas 20 imagens, de 1,10×1,50 metros – desta que é uma “ode visual ao mundo”, um reflexo da sua fragilidade. E, sobretudo, “um aviso de tudo o que corremos o risco de perder”, segundo o próprio Sebastião Salgado.

Desde a inauguração em Londres, no The Natural History Museum, em 2013, “Génesis” tem percorrido cidades de todo o mundo e já foi vista por milhões de pessoas Foto: Arquivo pessoal

População preocupada

Leiria é a segunda cidade portuguesa a receber “Génesis”. No final de 2019, as fotografias de Sebastião Salgado estiveram em Évora, na envolvente do templo de Diana. A vereadora do Ambiente da Câmara de Leiria explica que a passagem da exposição pela cidade é importante para ajudar a encarar “o desenvolvimento sustentável enquanto imperativo, caso queiramos continuar a ver imagens como as retratadas pelo autor”.

Para Ana Esperança é visível um crescente interesse da população de Leiria pelo ambiente e pelas causas que estão associadas à proteção do planeta. “A adesão a iniciativas ecológicas tem aumentado significativamente, sendo disso exemplo o número de voluntários que se associou às plantações de árvores na Mata do Urso, em novembro de 2019, e nas margens do rio Lis, agora em janeiro”. A par disso, o município recebe “contactos diários” por parte de pessoas preocupadas com questões ambientais concretas, verificadas na cidade.

A vereadora recorda a ação do Centro de Interpretação Ambiental, que tem para este ano um conjunto de atividades intenso e transversal, focadas na sensibilização ambiental e na promoção de boas práticas ambientais.

Também no cruzamento entre ambiente e arte, em janeiro foi inaugurada no Museu de Leiria a mostra temporária “Plasticus Maritimus”, associada à exposição “Plasticidade – Uma história dos plásticos em Portugal”. O projeto da bióloga marinha Ana Pêgo trabalha artisticamente o plástico enquanto “invador” do mundo natural e pode ser visitado até fevereiro. Para reforçar a mensagem, a própria Ana Pêgo integrará o Roteiro com Escritor, que no próximo ano letivo irá visitar as crianças do 1º Ciclo do ensino básico do concelho, frisa Ana Esperança.

Visitas guiadas

“Génesis” chegou a Leiria numa parceria do município com o BPI e a Fundação “la caixa”, integrada no projeto Arte na Rua. Por cá há visitas guiadas para o público em geral aos sábados (18 horas) e domingos (12 horas) sem necessidade de marcação prévia. Para grupos é necessária marcação prévia pelo 800 780 344.

Artigo originalmente publicado na edição impressa do REGIÃO DE LEIRIA, a 23 de janeiro de 2020

Manuel Leiria
Jornalista
manuel.leiria@regiaodeleiria.pt