Assinar Edições Digitais
Covid-19

Covid-19: Lar de Pombal precisa de voluntários para prestar apoio aos utentes

Com seis funcionárias em isolamento, depois de terem testado positivo para o novo coronavírus, o lar da Associação Sócio-Cultural, Recreativa e Educativa da Cumieira e Circunvizinhas, em Pombal, precisa de ajuda e apelou hoje ao voluntariado e à entrega de material de proteção individual.

Ao REGIÃO DE LEIRIA, Joaquim Silva, presidente da instituição, reconheceu a necessidade de pelo menos quatro pessoas para reforçar a equipa e manter o apoio prestado aos 25 utentes do lar.

Entre estes, estão cinco idosos com infeção confirmada mas cujo estado de saúde permite continuar na instituição, de acordo as orientações e as medidas de proteção definidas pelas autoridades de saúde.

“Temos falta de pessoas para trabalhar. Já tentámos encontrar voluntários, mas é difícil, porque ninguém quer vir trabalhar para um local onde há infetados [pela covid-19]”, lamentou Joaquim Silva, em declarações à agência Lusa.

O presidente da direção deixou outro alerta: “Necessitamos de material de proteção individual, quer de fatos, quer de máscaras e luvas”

O concelho de Pombal já registou três mortes devido a complicações associadas à doença, duas delas de utentes do lar da Cumieira e Circunvizinhas, de 83 e 76 anos.

Entretanto a instituição está a ponderar a possibilidade de mudar os utentes para outro local, caso as autoridades de saúde assim o entendam. Segundo explicou Joaquim Silva ao REGIÃO DE LEIRIA, a medida permitiria a higienização do atual edifício.

Sem avançar prazos e reiterando que a decisão caberá aos serviços de Saúde, indica como espaço de acolhimento o edifício da Cáritas Diocesana de Leiria-Fátima, na Praia do Pedrógão, concelho de Leiria.

Segundo os dados sobre a situação epidemiológica enviados pela autoridade de saúde pública de Pombal, às 10 horas de hoje, estavam confirmados 25 doentes infetados pelo novo coronavírus no concelho, dos quais resultaram três óbitos.

Há ainda dez casos em vigilância ativa e 180 em vigilância passiva, refere o documento.

Com Lusa