A Frutóbidos, produtora do licor de ginja de Óbidos, vai investir 1,5 milhões de euros numa nova fábrica e lançar em Portugal um novo conceito turístico denominado “Licoturismo”, anunciou hoje a administração.

A nova unidade de produção, com mais 2.000 metros quadrados, vai permitir “quadruplicar a produção anual que é atualmente de 250 mil garrafas de licor de ginja”, afirmou Marina Brás, administradora empresa localizada em Amoreira, no concelho de Óbidos, no distrito de Leiria.

A par com o investimento nas novas instalações, cuja construção foi iniciada o mês passado, a empresa prevê investir cerca de meio milhão de euros em “novas linhas de enchimento e equipamentos”, disse à agência Lusa.

Com a entrada em funcionamento da nova unidade de produção, prevista para dentro de dentro de dois anos, a Frutóbidos inaugurará também um novo conceito de “Licoturismo” em Portugal, que assentará em proporcionar aos visitantes experiências em torno da ginja.

“Jantares temáticos, sessões fotográficas no ginjal ou fabricar o seu próprios licor de ginja” são, segundo Marina Brás, algumas das experiências que os visitantes poderão vivenciar na nova fábrica, tendo sempre como enfoque “mostrar como se produz o licor de ginja”, feito com base na receita tradicional do fundador, Joaquim Albano.

O alargamento da área de negócio vai resultar num aumento dos atuais 11 trabalhadores para um número não quantificado de funcionários, “dependendo da procura dos serviços ao nível do “Licoturismo”, explicou a administradora.

O investimento foi hoje apresentado numa cerimónia que contou com a participação do secretário de Estado Adjunto e da Economia, João Neves, para quem a empresa se destaca pela “representação da tradição, pela capacidade de inovar e pela confiança” dos parceiros e consumidores.

Na cerimónia a Frutóbidos apresentou ainda um novo rótulo com a marca “Vila das Rainhas”, usado desde 207 e que sucedeu à marca original “Ginja d’Óbidos”, comercializada desde 1988, ano da fundação da fábrica original, por Joaquim Albano.

A empresa foi adquirida por Marina Brás em 2001 e transferida para a atual fábrica, em Amoreira, em 2004.

A receita de licor de ginja produzida mantém-se fiel às origens monásticas e assenta numa forte ligação com os agricultores da Indicação Geográfica Protegida (IGP) de Óbidos, a cujos agricultores é comprado o fruto.

O licor de ginja “Vila das Rainhas” é atualmente engarrafado na capacidade de 50 centilitros com certificação vegan e a marca venceu a edição 2020 do Prémio “Cinco Estrelas”.