O Centro Hospitalar de Leiria (CHL) anunciou que vai disponibilizar apoio emocional à população que sinta que a sua saúde mental está a ser afetada face à pandemia da Covid-19.

Este serviço pretende impedir que as pessoas mais afetadas pelo isolamento social e pela incerteza da situação atual, que poderão evidenciar situações de ansiedade, insegurança, medo e desesperança, desenvolvam patologias mentais mais graves, como o caso da depressão ou até suicídio, refere uma nota de imprensa.

Esta medida tem ainda como objetivo contribuir para o restabelecimento do bem-estar da população, que possa estar a ser afetada no seu equilíbrio emocional, no contexto de confinamento devido ao novo coronavírus.

O apoio emocional à população será prestado por uma equipa composta por profissionais da área da saúde mental, entre médicos psiquiatras, psicólogos e enfermeiros especialistas em enfermagem de saúde mental, coordenada pelo diretor do Serviço de Psiquiatria do CHL.

O apoio pode ser solicitado por qualquer cidadão da área de abrangência do CHL, devendo o pedido ser efetuado via e-mail, para covid19.promoversaudemental@chleiria.min-saude.pt, ou via contacto telefónico, 244 817 090, disponível das 9 às 13 horas e das 14 às 17 horas.

Os utentes poderão também ser encaminhados para a referida equipa pelos profissionais que os acompanham e com o seu consentimento.

Em outra nota de imprensa, o CHL revelou que a Associação de Futebol de Leiria (AFL) ofereceu hoje um monitor que permite motorizar os parâmetros vitais dos doentes, e que será usado na linha da frente do combate à Covid-19.

O presidente do Conselho de Administração, Licínio de Carvalho, destacou o “grande empenho e disponibilidade dos agentes sociais e económicos da região” no apoio ao hospital.

“Este é mais um exemplo dessa solidariedade, que muito prezamos”, referiu, citado na nota de imprensa.

O presidente da AFL, Manuel Nunes, afirmou que, apesar da área de ação ser a promoção e o desenvolvimento do futebol, a associação “não pode deixar de afirmar claramente que, neste momento tão dramático, perante as adversidades que se enfrentam”, todos devem colaborar no esforço da saúde pública.

Explicando que o investimento neste equipamento estava orçamentado para ações e eventos da associação, Manuel Nunes considerou que este “apoio” está a “contribuir para minimizar a perda de vidas, que por infelicidade foram atingidas por este vírus e assim ajudar a combater o caos que se pode vir a instalar”.