Assinar Edições Digitais


Covid-19

Covid-19: Organizações de Leiria criam gabinete económico e social para apoio no pós-pandemia

A CIMRL, a Nerlei e o Politécnico de Leiria são as três instituições envolvidas na estratégia que visa desenvolver medidas para um novo lançamento económico e social da região.

Economia pós pandemia

A Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria (CIMRL), a Nerlei – Associação Empresarial da Região de Leiria e o Politécnico de Leiria estabeleceram uma parceria, que visa a criação de um gabinete económico e social para apoio no período pós-pandemia de Covid-19.

Segundo o memorando de entendimento, as três instituições pretendem estabelecer uma estratégia comum de apoio económico e social pós-pandemia, que contempla a criação de um gabinete económico e social, e o desenvolvimento de um plano de medidas para o novo lançamento económico e social da região de Leiria, refere uma nota de imprensa da CIMRL.

O objetivo é contribuir para a resposta ao “grave impacto da pandemia de covid-19 no tecido empresarial e social da região de Leiria, no curto e médio prazo, através de medidas articuladas de base territorial”.

Estas três entidades consideram que os desafios de uma nova ordem mundial gerada pela pandemia “obrigam a recentrar, no imediato, medidas de ajustamento dos setores económicos estratégicos regionais, identificando novas oportunidades de mercado, mas também de relocalização industrial e de produção mais inteligente, automatizada e digital”.

As medidas apresentadas são justificadas “pela mudança de hábitos de consumo, tendência para a diversidade da forma de trabalho e uma nova vivência em sociedade provocada pelo afastamento social, que provocam impactos evidentes na economia e tornam ainda mais prioritário o incremento digital e o comércio de proximidade, nas mais diversas dimensões”.

A CIMRL, a Nerlei e o Politécnico de Leiria comprometem-se a divulgar e envolver as entidades concelhias e regionais, de modo a que o processo de planeamento e acompanhamento seja participado e que a adoção de medidas seja compatível com os recursos disponíveis partilhados e com uma estratégia de aplicação transversal a nível regional.

Defendendo uma maior digitalização dos serviços públicos, as entidades consideram ainda que o sistema educativo irá sofrer “mudanças profundas, com escolas mais flexíveis e com modelos de ensino-aprendizagem inovadores e digitais”.

Tal contexto “obriga a um investimento de adaptação tecnológica, produção de conteúdos e plataformas digitais, assim como formação dos professores e alunos a esta nova tendência”, lê-se na nota.

Será ainda preparado um plano de medidas para o novo lançamento económico e social da região de Leiria, com dimensão de curto (2020) e médio prazo.

Estas instituições pretendem assegurar a monitorização da dinâmica de recuperação económica e social da região de Leiria e estimular as melhores condições para a sua implementação.

Será criado para o efeito um grupo de acompanhamento económico e social, que reunirá mensalmente para analisar a evolução do emprego, a criação de empresas, a coesão social, os meios de financiamento, assim como a aplicação das medidas de intervenção regionais, nacionais e europeias.