O serviço “take-away” na restauração de Leiria, sector fechado na sequência da pandemia da Covid-19, tem servido para amenizar prejuízos, mas também para fidelizar clientes.

Segundo informação enviada pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), “98% das empresas de alojamento e restauração registaram uma redução do seu volume de negócios, com as microempresas a referirem reduções superiores a 75%”.

Os resultados fazem parte do inquérito realizado pelo Banco de Portugal e pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre a Situação das Empresas, entre 06 e 10 de abril de 2020.

Em Leiria, alguns empresários da restauração alteraram o seu modo de funcionamento e apostaram nas refeições ‘take-away’. Foi o caso do Cabra Velha, um restaurante tradicional no centro histórico de Leiria, até agora apenas com serviço de sala.

“Estamos a trabalhar com meia dúzia de petiscos básicos e com grelhados. Além das plataformas de entrega de comida ao domicílio, o restaurante também faz a sua entrega gratuita dentro da cidade. Tenho famílias que dependem de mim e também tenho família, não podia ficar de braços cruzados”, afirmou o sócio-gerente Bruno Ferreira.

Pouco antes do aparecimento da pandemia, o empresário preparava-se para abrir a Padaria Dona Maria. “Seria uma padaria local só para vender pão para restaurantes e zona histórica da cidade”.

Quando os restaurantes fecharam, Bruno Ferreira transformou a padaria (que ainda não abriu) em pizzaria. “Fazemos pizzas e massas, mas são produtos diferentes do que existe na concorrência. Tudo em ‘take-away’ e com entregas no local e ao domicílio”.

A adesão superou as expectativas e, quando a situação da restauração regressar à normalidade, o empresário prevê abrir a Padaria Dona Maria, agora não só virada para a panificação, mas também para a confeção de pizzas e massas.

“Temos de nos adaptar. As oportunidades surgem e sempre fui ‘furão’. Custou-me muito montar as casas”, adiantou, referindo-se ao seu outro restaurante, também encerrado.

Com 75% dos empregados em ‘lay off’, Bruno Ferreira garantiu que conta com todos no futuro. “As pessoas tendem a desvalorizar este tipo de trabalho, mas é muito difícil encontrar funcionários com responsabilidade. Por isso, faço questão de ter salários e horários dignos. Encontrei um grupo de grandes profissionais, que se transformaram em amigos, e preciso deles para continuar com as minhas empresas”.

A cerca de oito quilómetros, na freguesia de Cortes, a Casa da Nora reinventou-se. “Nunca fizemos ‘take-away’, mas não sou de baixar os braços. Tenho funcionários que não podem ficar sem ordenado”, adiantou Rodolfo Fetal. 

Este empresário fidelizou alguns clientes e faz entregas na zona de Leiria. “Éramos muito fortes em batizados, casamentos e festas. Tínhamos tudo marcado e até recusámos serviços. Foi tudo cancelado. Não estou a ganhar dinheiro com o ‘take-away’, mas o objetivo é não ter de ir às poupanças”, admitiu.

Dos dez funcionários, os três empregados de mesa estão em ‘lay off’. “Conto com todos”, assegura, no entanto.

Um espaço pequeno à beira rio no percurso Polis de Leiria, a Casa da Lídia – Bistrô e Casa de Chá serve refeições rápidas, com pratos diferenciados dos restaurantes tradicionais, com oferta vegetariana.

Com as portas fechadas, Lídia Vila-Lobos avançou para o ‘take-away’. “Sou só eu e a minha irmã e começámos por fazer as refeições uma vez por semana. As pessoas têm aderido e já passámos a duas vezes por semana”, adiantou a sócia-gerente.

Como o espaço tem a vertente de casa de café e bistrô, Lídia Vila-Lobos aventurou-se nos bolos de aniversário personalizados. “Apercebi-me que algumas pastelarias estão encerradas. As pessoas fazem anos e devem ter o seu bolo de aniversário, mesmo fechadas em casa. Temos de contornar a crise e foi mais uma oferta que lançámos, com entrega ao domicílio”. 

Como forma de ajudar os restaurantes a divulgar os seus serviços nesta fase, a AHRESP lançou a plataforma “Estamos Abertos”.

Este espaço permite que os cidadãos consultem num único local quais os estabelecimentos de restauração e bebidas que se encontram abertos, qual o seu horário de funcionamento e, entre outras informações úteis, qual o tipo de serviço que está a ser fornecido (‘take-away’, ‘delivery’ e ‘drive-in’).