O KGym distribuiu material pelas casas de 70 clientes, de modo a reforçar a interação com quem quer continuar a praticar exercício físico, sob orientação remota dos técnicos do ginásio da Caranguejeira.

Todos os ginásios foram forçados pelas autoridades a interromper a atividade presencial, como medida para estancar a propagação da pandemia de Covid-19.

Na Caranguejeira, o KGym, que tinha três centenas e meia de clientes aquando da determinação para encerrar, encontrou uma alternativa para enriquecer as aulas transmitidas online: ceder material aos clientes, entregando-o em casa de cada um.

“Todos os equipamentos entregues foram higienizados em conformidade com as diretivas da Direção-Geral de Saúde”, garante o responsável do KGym. Jorge Barbosa diz que houve cuidados especiais no transporte e entrega, desde a desinfeção do material e da viatura com álcool à distância de segurança no momento da entrega.

“Esse material vai permitir-nos, através de uma plataforma, ter uma interação direta, momentânea e quase ‘presencial’ com os nossos clientes”, explica ao REGIÃO DE LEIRIA.

Com o empréstimo do material, o ginásio vai poder oferecer mais dez aulas semanais, “com visualização direta e dinâmica”.

Ao todo, o KGym agora está a funcionar com 14 aulas online, algumas abertas a toda a comunidade, como Zumba Kids e Zumba Gold, e várias em exclusivo para os clientes.

Como para todos os negócios deste e outros setores, o encerramento “não foi fácil”, reconhece o responsável. “Nas duas primeiras semanas todas as empresas bateram de ‘cabeça’ na ‘parede'”, admite Jorge Barbosa.

No caso do ginásio da Caranguejeira, alguns dos 352 clientes ativos a 15 de março cancelaram ou suspenderam a atividade. As dificuldades obrigam à reformulação do modelo de negócio, com soluções como a cedência de material ao domicílio. Agora chegou a 70 casas, mas Jorge Barbosa admite entregar na habitação de outros interessados.

“Acima de tudo temos a sorte de cerca de 85% dos clientes continuarem connosco, o que é sinal que acreditam na equipa de trabalho e valorizam o que o KGym está a fazer em backoffice“, sublinha, realçando “o apoio e compreensão” que têm recebido. 

Nas casas da região continua a haver preocupação em continuar a fazer exercício físico. “Para quem tem crianças, é um desafio maior”, mas “as famílias estão a tentar reorganizar o seu tempo” e “quem ainda trabalha mantém a rotina normal de uma ‘ida’ normal ao ginásio”, agora através do telemóvel ou computador.

Contudo, face à proliferação de aulas em direto transmitidas por diversos ginásios, “muitos clientes cansaram-se e desligaram um pouco”, nota Jorge Barbosa. Daí que o KGym tenha decidido levar material até aos interessados,

Bicicletas de cycling, barras, bolas de pilates, pesos, halteres, jump foram cedidos para tornar a experiência de cada sessão mais real e profícua, numa fase em que é ainda mais importante estar em forma para manter “um bom sistema imunitário”, conciliando exercício com “uma boa alimentação”.

Na Caranguejeira anseia-se pelo regresso aos dias normais do ginásio. Trabalhar à distância é difícil e duplica o desafio de quem tem de motivar o outro para a prática do exercício físico:

“É necessário reinventarmo-nos todos os dias, para ter algo de novo, constantemente. É importante não esquecer que um ginásio é de pessoas para pessoas… e isso faz falta, sem dúvida”.