A câmara do Bombarral aprovou esta terça-feira, dia 9, o relatório de contas de 2019, ano em que terminou com um resultado líquido positivo de 835 mil euros, inferior ao alcançado em 2018.

O relatório de contas de 2019 foi aprovado pela maioria socialista, com os votos contra dos três vereadores da coligação PSD/CDS-PP.

A autarquia fechou o ano com um resultado líquido positivo de 835 mil euros, quando este tinha sido de 926 mil euros em 2018.

Do lado da despesa, obteve uma execução orçamental de 84,11%, quando em 2018 tinha sido de 77,19%, uma vez que dos 10,7 milhões de euros (ME) previstos, foram pagos 9,1 ME.

Entre 2018 e 2019, a despesa geral aumentou de 8,6 ME para 9,1 ME, enquanto a despesa com pessoal continua a ser a rubrica com maior peso, tendo também subido quase 400 mil euros.

A receita atingiu uma execução orçamental de 99%, igual a 2018, porque praticamente os 10,7 ME orçamentados foram cobrados.

As receitas correntes aumentaram de 8,8 ME para 9,1 ME, uma ligeira subida impulsionada pelos impostos diretos (2,3 ME para 2,6 ME), apesar de terem descido as receitas do Imposto Municipal sobre Imóveis (1,6 ME para 1,5 ME) e do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas (731 mil euros para 701 mil euros), enquanto o Imposto Único de Circulação subiu de 308 para 320 mil.

O município terminou o ano com uma dívida total de 1,2 ME, dos quais 912 mil euros de médio e longo prazo e 363 mil euros de curto prazo, e a pagar a 15 dias aos fornecedores, quando em 2018 o prazo médio de pagamentos era de 28 dias.

O relatório de contas de 2019 vai ser ainda submetido à assembleia municipal, onde o PS também tem maioria.

A câmara do Bombarral serve uma população de 13 mil habitantes.