A presidente da Câmara de Alvaiázere, Célia Marques, realçou hoje a importância de a primeira área de serviço da A13 funcionar também como ponto de promoção turística e dos produtos da região.

A nova área de serviço, que abriu hoje oficialmente na A13, no sentido Tomar-Coimbra, entre o nó de Alvaiázere e o nó de Avelar Sul (concelho de Ansião), ligando a autoestrada ao IC8, “fazia todo o sentido”, disse Célia Marques ao intervir numa cerimónia inaugural breve ao ar livre.

A autarca do PSD enalteceu a possibilidade de o local vir a dispor de “uma excelente montra” dos produtos endógenos do concelho, no distrito de Leiria, e em geral da sub-região do Pinhal Interior.

Quando o troço da A13 entre o Entroncamento e Coimbra, numa extensão de 83 quilómetros, abriu ao trânsito, em 2014, “não havia grande movimento de viaturas”, recordou.

“Mas, atualmente, a A13 está em crescimento em termos de utilização”, enfatizou Célia Marques, que apontou para a via, procurando verificar o aumento de número de viaturas que circulam agora naquele troço.

A presidente da Câmara disse que o município de Alvaiázere “sempre defendeu” a construção da A13, “independentemente de haver portagens ou não”, tendo-se confirmado que “permitiu desencravar esta região”.

Numa nota conjunta, a empresa de combustíveis Prio e a Ascendi, que gere a subconcessão do Pinhal Interior da A13, salientam que a nova área de serviço “permitirá aos condutores o acesso a combustíveis e serviços da mais alta qualidade”.

Alexandra Ferreira, da Ascendi, informou que a segunda plataforma do empreendimento, no sentido Coimbra-Tomar, abrirá antes do final do ano.

Entretanto, a Direção Regional de Cultura do Centro está a avaliar a proposta de exposição no local de achados arqueológicos da época romana, encontrados na zona durante os trabalhos de construção da A13.

Luís Martins, da Prio, entregou ao Bombeiros Voluntários de Alvaiázere (BVA) um cheque de 500 euros em combustível.

Ao agradecer o donativo, o comandante da instituição, Mário Bruno, recordou que no passado as viaturas dos BVA demoravam uma hora e 20 minutos a chegar aos Hospitais de Coimbra, trajeto que fazem atualmente, pela A13, em cerca de meia hora.

Na cerimónia, interveio também Luís Silva Santos, presidente do conselho de administração da Ascendi.