A aproximação da objetiva ao focinho dos animais é uma das características que identifica as fotografias de João Azevedo. Desde 2015 que o fotógrafo deu início ao projeto Be My Friend e tem percorrido canis e associações de proteção animal por todo o país com o objetivo de ajudar a encontrar famílias para os patudos.

No início de junho foi a vez do Canil Municipal de Peniche abrir portas e receber o “mini estúdio” do fotógrafo conimbricense.

“Eu já fotografava animais em estúdio, gostava bastante do resultado e decidi experimentar ajudar uma associação, montando um mini estúdio e fazendo retratos dos animais”, começa por dizer João Azevedo.

O enquadramento com o focinho dos animais permite “capturar melhor” a expressão e o olhar dos cães, e alguns gatos, que o fotógrafo tem conhecido. Em Peniche fotografou cerca de 15 cães, machos, adultos ou seniores, e três já foram adotados.

Ana Elisa, do Canil Municipal de Peniche, explica que o trabalho do fotógrafo é “completamente pro bono” e tem resultados nas adoções por via das plataformas digitais.

A responsável considera que as “imagens são determinantes” para as adoções e o facto de serem “muitos emotivas e bonitas” cria uma energia de partilha e divulgação do canil no mundo virtual.

“Tentamos colocar os animais de uma maneira feliz, que é como eles estão, com expressões que são deles, para tentar cativar as pessoas”, acrescenta.

Entretanto, o fotógrafo esteve também no Canil Municipal de Pombal e na Casa Esperanza Focinhos, na Marinha Grande, para captar o olhar de alguns dos cães disponíveis para adoção.

Os retratos podem ser vistos na plataforma www.bemyfriend.pt, onde é possível conhecer parte da sua história, saber que canil ou associação os acolheu e até dar início ao processo de adoção. João Azevedo fotografou 818 animais, dos quais 364 já têm dono.

“Sabe bem receber mensagens em que dizem que por causa de uma fotografia minha, um cão que ali estava há 6 anos foi adotado”, conclui.