A Ponte da Cal, construída no século XVII, é um dos locais escolhidos para os concertos Foto: CMA

Um conjunto de músicos de Ansião atua nos próximos dois fins de semana em locais emblemáticos do concelho no âmbito do projeto “Música e património”, que pretende valorizar o património natural e cultural do território.

A iniciativa é de um conjunto de músicos do concelho, aos quais se alia o município de Ansião.

Os músicos vão atuar em locais patrimonialmente relevantes, como um moinho de vento, um forno medieval ou um antigo palácio. 

As atuações, seis no total, começam hoje, 4 de setembro, e prolongam-se também para sábado e para domingo, e para o fim de semana seguinte, percorrendo cada uma das freguesias do concelho. Contudo, devido à pandemia de covid-19, os concertos não terão público e serão transmitidos pelos canais online da Câmara Municipal de Ansião a partir das 18 horas.

“Nestes tempos em que não pode haver ajuntamentos, vamos fazer pequenos concertos em sítios emblemáticos, a partir de um desafio lançado por uma jovem música do concelho de Ansião”, explica a vereadora da Cultura.

Cristina Bernardino adianta que a intenção é, também, “promover novos talentos locais”, aliando “música e património”.

Os concertos vão ter lugar no Moinho de Pousaflores, nas ruínas junto à Fonte da Ladeia, em Alvorge, no Complexo Monumental de Santiago da Guarda, na Quinta de Cima, um palácio “onde o pintor José Malhoa passava temporadas”, na Ponte da Cal, em Ansião, e no forno medieval de Avelar.

A direção artística é Buga Lopes, participando seis músicos locais.

A par de “Música e património”, em tempo de pandemia, Ansião vai continuar a apostar em “levar a cultura onde não é normal acontecer”, mesmo que, sublinha a vereadora, “não seja para muito público”.

“Não é isso que nos interessa, queremos é fazer chegar eventos a quem não tem habitualmente acesso a eles”, diz Cristina Bernardino.