“O matadouro” é a mais recente proposta do Projeto Casa Assombrada, do Teatro Reflexo, que está de volta para a prometida estreia em Leiria, após o adiamento devido à Covid-19. A partir de 26 de setembro e durante os próximos meses, está à espera dos mais corajosos uma experiência “única e imersiva, que combina muita adrenalina e medo”, com “os visitantes no centro da ação”, promete Michel Simeão, diretor da companhia.

O novo espetáculo, que incorpora várias expressões dentro do entretenimento e do teatro imersivo, instala-se numa antiga fábrica de pastéis de carne, no Zambujo, em Cortes, Leiria. As sessões decorrem todas as sextas e sábados a partir do próximo sábado, até ao final do ano.

Mas há algumas alterações em relação ao previsto, nomeadamente em termos de proximidade com o público, lotação e acesso aos espaços. “Tivemos de retirar parte da proximidade com o público, que é característica do espetáculo imersivo. E diminuímos a lotação para 21 pessoas por cada horário”, explica Michel Simeão.

O conjunto de medidas a adotar pelo público inclui a utilização de máscara, o respeito do distanciamento – assegurado com marcas no chão – a desinfeção das mãos e a divisão dos grupos em pares a determinada altura da experiência, entre outros requisitos emanados pela Direção-Geral da Saúde.

Quanto à experiência proporcionada ao público, continua a ser a mesma desde 2015 – data de início dos espetáculos em Lisboa -, numa mescla de teatro, desafios com enigmas e pistas para procurar e… provas de coragem. “Há uma parte que é feita com auscultadores e um áudio-guia, que faz uma série de propostas às pessoas”. “Vamos mexer com os cinco sentidos”, garante o diretor.

“O matadouro” funciona, ainda, como um escape game, onde as pessoas têm de descobrir a saída.

Todos os anteriores capítulos do Projeto Casa Assombrada foram um sucesso, com lotação esgotada em todas as sessões. Em Leiria promete ser semelhante: o mês de outubro já está esgotado.

Contudo, em fevereiro estavam vendidos cerca de duass mil entradas, parte delas reembolsadas devido à pandemia. O diretor da companhia explica que, agora, estão a ser vendidos “menos bilhetes do que seria suposto numa época normal, sem Covid-19” e na região parece haver poucos espectadores dispostos a enfrentar esta proposta de terror imersivo: “Mais de 70% do público vem de Lisboa”, acrescenta.

O objetivo atual da equipa de Casa Assombrada é, por isso, conquistar o público de Leiria e chegar às cidades de arredores, como Coimbra, Fátima ou Tomar.

Quem quiser entrar neste “O matadouro” ainda pode obter bilhetes para as sessões de novembro, através de reservas.casassombrada@gmail.com.

Com duração de uma hora, os espetáculos decorrem às sextas e sábados, com horários entre as 21 horas e a meia noite. Esta é uma proposta destinada a maiores de 16 anos e o custo por bilhete é de 16 euros.